quinta-feira, 30 de junho de 2011

"Ide pelo mundo"

                                                         (Mc 16,15)
   O seguimento de Jesus não comporta facilidades e comodidades passageiras, embora seja a fonte mais segura de todo prazer e satisfação possíveis para a vida do discípulo. As comodidades deste seguimento são as alegrias de se descobrir o gosto, supremo e nobre, de fazer da própria vida, permanentemente, uma oferta para o bem dos outros. Custe o que custar. Fazendo valer sempre o bem que edifica o outro, sua vida. Uma dinâmica de vida que inclui as exigências de rever, diariamente, modos de falar, posturas assumidas diante dos outros, motivações para escolhas e direcionamentos da própria ação quotidiana. Uma experiência de oferta sustentada pela certeza de se estar bebendo na fonte daquela realização humana e pessoal que fascina e move o coração de toda pessoa como dinâmica de procura. São esforços e sacrifícios premiados com uma alegria duradoura e com a sabedoria de compreender o verdadeiro sentido da própria vida.
    Uma compreensão sem a qual a vida fica pesada; o dia a dia exigente para além do que se pode dar conta; e tudo parece difícil demais e quase impossível. Na contra - mão do que costumeiramente o coração humano procura como fonte de satisfação e alegria, o seguimento de Jesus possibilita a conquista de um jeito de viver pelo qual sacrifícios e esforços ganham um profundo sentido. O sentido que responde à procura mais profunda do coração humano, feito para amar e para realizar-se na experiência generosa da oferta. E assim, o Mestre, antes de ser levado aos céus e sentar-se à direita de Deus, vitorioso por sua oferta obediente à vontade de Deus Pai, marca o coração dos discípulos com este mandato: ‘Ide’. Um mandato rico desta dinâmica que exercitada e obedecida faz brotar no coração do discípulo os sinais desta alegria duradoura procurada por todos.
Ide
   A vida do discípulo se constitui pela dinâmica do êxodo. Isto é, fazer-se discípulo e enriquecer o discipulado ocorrem na medida em que se assume audaciosamente a corajosa atitude de sair, partir, ir. O exemplo modelar é do Mestre e Senhor Jesus que marca a sua vida com um tríplice êxodo. O êxodo de sair do seio amoroso do Pai, vindo ao encontro da humanidade no assumir a sua condição. A saída de si na oferta generosa e incondicional de sua própria vida, morrendo na cruz e ressuscitando, para selar a aliança nova e redentora no seu próprio sangue. Ainda, a saída deste mundo, na sua ascensão, retornando ao seio do Pai, de onde Ele viera para gozar a glória suprema que recebe só quem amorosamente obedece a sua vontade. Assim, o discípulo é desafiado a sair de si para quebrar todo fechamento e impedir os riscos de organizar comodidades egoístas e mesquinhas, possibilitando-lhe dar as costas ao mundo ao qual ele é enviado. Uma saída de si que atinge o ápice do seu sentido na medida em que se vai ao encontro dos outros, cada outro, lá onde estão, particularmente quando se considera a sua necessidade, seja ela de qual ordem for.
   E finalmente, a corajosa saída deste mundo para entrar também no gozo, verdadeiro e pleno, que só se encontra no seio amoroso de Deus Pai, o Pai do Senhor Jesus Cristo. Ide, pois, não é a indicação de uma simples tarefa a cumprir. É uma dinâmica existencial que, vivida com generosidade e incondicional confiança naquele que envia, dá forma ao coração do verdadeiro discípulo. O atendimento deste mandato o faz desabrochar e amadurecer para compreender e fazer, com prazer, da própria vida uma altar de generosas ofertas, redenção de si, com efetiva participação, pelo caráter de oferta, na obra redentora do seu Mestre e Senhor.  
Pelo mundo inteiro anunciai
   O mundo inteiro é o horizonte do discipulado. O mundo como ele é, cheio de dificuldades e com muitas contradições, armadilhas e ciladas, deixando-se conformar pelas dinâmicas que presidem o coração dos perversos, dos gananciosos e soberbos. Cada criatura é a razão da oferta do discípulo. Uma oferta que há de ser emoldurada pelo sentido insubstituível do anúncio do Evangelho. Um anúncio que inclui corajosa proclamação. Uma proclamação que comporta um conteúdo a ser anunciado para tocar os corações com a força de sua própria interpelação. Uma interpelação indispensável para remover as crostas da indiferença, soberba, orgulho e presunção que amordaçam, facilmente, o coração humano e o impede de respostas proféticas e audaciosas generosidades.
   Uma interpelação veiculada pela proclamação e sustentada pelo testemunho. Uma fala destemida que se comprova no jeito de ser, criando convicções, renovando dinâmicas de vida e criando modos de viver que faz da vida de cada discípulo uma página viva deste Evangelho anunciado. Páginas vivas do Evangelho que vão forrando, com a novidade do amor de Deus, os corações e a organização comum da vida de cada dia. Um anúncio ao mundo inteiro com a força única de operar nele a redenção, garantida por aquele, Cristo Senhor, que é o conteúdo vivo deste Evangelho.
  O Senhor os ajudava
   O fascínio do discípulo e seu sustento vêm do Senhor. A obra a Ele pertence. Ao discípulo é dada a honra da participação e da colaboração, conformando a própria vida à do Mestre e Senhor, enquanto enfrenta o desafio de aprender que a vida verdadeira só se conquista pela força da oferta de si. Os percursos do caminho hão de ser fecundados pela consciência do envio e pelo sustento que advém do amor daquele que envia o discípulo ao coração do mundo para anunciar o Evangelho. A ajuda do Senhor, promessa garantida pela palavra dada e que vale, cria para o discípulo a condição de enfrentar os desafios com a força própria daquele que o enviou. E o anúncio, de novo, não é uma simples tarefa. É muito mais. É uma autêntica experiência de crer.
   Crer naquele que envia, depositando nele toda confiança, e experimentando os milagres que Ele faz naqueles e por aqueles que, amorosamente, assumem a condição de discípulos. Uma condição que lhes outorga a força revelada nos sinais que estão no poder de expulsar demônios, estabelecendo no seu lugar a ordem do amor; a competência de falar novas línguas como conquista de diálogos que estabelecem a verdadeira comunhão, como condição indispensável para se conquistar a vida que não passa. Uma ajuda do Mestre aos seus discípulos pela garantia de livrá-los de todo mal e perigo, de modo que ‘se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal algum; e quando impuserem as mãos sobre os doentes, eles ficarão curados’. E o discípulo, ofertando sua vida, incondicionalmente, vive a sorte do Mestre, na oferta e na glória.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte

A Morte não é Nada

"A morte não é nada.
Eu somente passei
para o outro lado do Caminho.
Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês,
eu continuarei sendo.
Me dêem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.
Vocês continuam vivendo
no mundo das criaturas,
eu estou vivendo
no mundo do Criador.
Não utilizem um tom solene
ou triste, continuem a rir
daquilo que nos fazia rir juntos.
Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.
Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.
A vida significa tudo
o que ela sempre significou,
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora
de suas vistas?
Eu não estou longe,
apenas estou
do outro lado do Caminho...
Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre.


Santo Agostinho

Dez mandamentos do motorista

A Igreja Católica divulgou recentemente os “Dez Mandamentos do Motorista.” O trânsito mata mais que as guerras e doenças. O setor de ortopedia dos hospitais está sempre superlotado e a cadeira de rodas é o destino para as vítimas do trânsito. Os dez mandamentos do motorista vieram em boa hora.
1. Não matar. É o mandamento de Deus. A vida das pessoas é única, original, irrepetível. A cultura da vida faz parte da educação para o trânsito. O consumismo nos transforma em homicidas nas estradas e ruas.
2. A rua é lugar de comunhão e não uma arma mortal. A rua, as estradas são de todos, são um bem social, comum, comunitário. Por isso, não podemos ser egoístas, prepotentes, donos das ruas e estradas, mas devemos fazer delas um meio, um lugar de comunhão.
3. Cortesia, correção e prudência. Estas são as três virtudes do motorista. Elas são desdobramentos do amor fraterno. A cortesia supera a grosseria, a correção protege o bem comum e a prudência leva ao bom senso, ao reto agir e a ter cuidado.
4. O motorista deve ter caridade, ser sensível com o próximo. É como o bom samaritano, tem zelo pelos outros e socorre as vítimas. O motorista é como um anjo da vida, guarda e cuida da vida pessoal e dos outros. Caminhemos na estrada de Jesus. Ele é o caminho.
5. Ter automóvel não é status, poder, dominação, superioridade. Quem pensa assim está no estágio da infantilidade e das aparências. O carro é para servir, nunca deve ser ocasião para o pecado. É lamentável fazer do automóvel um meio de orgulho e vaidade. A lei do mais forte é a lei da selva.
6. Convencer aos que não têm condições de dirigir, a não fazê-lo. Pessoas alcoolizadas, drogadas, sonolentas, sem habilitação, em alto estado emocional ou que não observam as leis do trânsito, não devem dirigir.
7. Ajudar as famílias dos acidentados. Um acidente de trânsito prejudica muitas pessoas, famílias inteiras e à comunidade. O pecado do trânsito é um pecado social, comunitário, que fere muitas pessoas. É dever ético ajudar as famílias dos acidentados. Há muitas maneiras de ajudar.
8. Os culpados dos acidentes e as vítimas precisam passar pela experiência do perdão. A raiva, a mágoa, o ressentimento são tão negativos quanto os males físicos. Sem o perdão é difícil esquecer os males sofridos, obter a cura física e emocional, inclusive a cura dos traumas.
9. Na rua seja protegida a parte mais vulnerável. São as crianças, os idosos, os doentes, os pedestres. A educação para o trânsito tem orientações para os pedestres e para a comunidade. Portanto, é um conjunto de responsabilidades: o motorista, o pedestre, o carro, a estrada.
10. Ser responsável para com o próximo. Ter carro, correr, vencer, lucrar são realidades da vida moderna, que convidam para o consumismo e interesses pessoais. Esquecemos facilmente dos outros, do próximo, dos irmãos. Martin Luther King dizia: “Ou vivemos como irmãos, ou morreremos como loucos”. Sejamos responsáveis e pacientes no trânsito para não sermos pacientes nos hospitais.
* Dom Orlando Brandes é arcebispo de Londrina (PR) e presidente da Comissão para a Vida e a Família da CNBB

 Dom Orlando Brandes

Mandamentos do trânsito

    Diariamente, registram-se inúmeros acidentes de trânsito no mundo; no Brasil, o problema é particularmente acentuado nas estradas e cidades, deixando lesões graves ou seqüelas, às vezes, comprometedoras na vida das pessoas e levando milhares a uma morte prematura. Conforme o Aurélio, “acidente”, em nosso vernáculo, significa “Acontecimento casual, fortuito, imprevisto”; em sentido filosófico, é “O que resulta de contingência ou de acaso”.  De acordo com o próprio conceito e com nossa experiência, os acidentes não acontecem em razão de um determinismo, nem por força do “destino”; antes, estão na ordem da causalidade; as explicações estão à vista; uns são decorrentes de fenômenos naturais que, todavia, não são, estatisticamente, as principais causas de morte ou invalidez; as ótimas e as precárias condições de nossas estradas têm sua cota na contabilidade dos acidentes; porém, as intervenções humanas, involuntárias ou irresponsáveis, estão na raiz da maioria dos acidentes que, portanto, são evitáveis. “Erro humano, em todo o mundo, é responsável por mais de 90% dos acidentes registrados. Principais imprudências determinantes de acidentes fatais no Brasil: por ordem de incidência: Velocidade excessiva; Dirigir sob efeito de álcool; Distância insuficiente em relação ao veiculo dianteiro; Desrespeito à sinalização; Dirigir sob efeito de drogas.” Muitos fatores, de ordem objetiva e de natureza subjetiva, contribuem para o crescente número de acidentes no Brasil: “Impunidade / legislação deficiente; Fiscalização corrupta e sem caráter educativo; Baixo nível cultural e social; Baixa valorização da vida; Ausência de espírito comunitário e exacerbação do caráter individualista; Uso do veículo como demonstração de poder e virilidade.” Entre nós, as estatísticas anuais são muito elevadas, de modo que os acidentes constituem um problema nacional porque encerram traumas, sofrimentos e apreensões na vida dos acidentados e de seus familiares. Os acidentes se tornam “um problema de saúde pública”, pelo lado dos custos humanos, financeiros e sociais; são cerca de “5 bilhões de dólares por ano”, em razão das “perdas de produção” e gastos da previdência social.
“Atualmente, segundo a OMS, há 1,2 milhão de mortos, e de 20 milhões a 50 milhões de feridos, em acidentes de trânsito, no mundo, anualmente.” “No Brasil mais de 40.000 pessoas perdem a vida anualmente em acidentes de transito”. Diante da gravidade desse problema, em junho passado, o Vaticano divulgou “um código moral”, os 10 mandamentos do trânsito, para os motoristas católicos, com sua “orientação para a Pastoral nas Estradas”:
1. Não matar
2. Fazer da estrada um instrumento de união, não de morte
3. Ser prudente, correto e gentil
4. Ser caridoso. Ajudar o próximo em caso de acidente
5. Não transformar o carro numa expressão de poder
6. Evitar que quem não esteja em condições pegue no volante
7. Ajudar as famílias das vítimas de acidentes
8. Reunir o culpado do acidente e a vítima para que possam perdoar-se
9. Proteger os mais vulneráveis
10.Considerar-se responsável pelos outros.
Será benéfica para as pessoas e para a sociedade a observância desses mandamentos, por parte dos motoristas católicos, em razão de sua fidelidade ao magistério da Igreja, de fiéis de outros credos e daqueles que não têm vínculos religiosos. Dada a sua importância para a sociedade brasileira, a Polícia Rodoviária Federal “aproveitou os dez mandamentos do motorista católico (...) e estendeu as recomendações a todos os motoristas brasileiros, independente da orientação religiosa.”                      
*Dom Genival Saraiva é bispo de Palmares - PE

COMO NASCEU O D0MINGO

Geralmente, quando morre uma pessoa muito querida (sobretudo quando é da família), de repente, dois ou três dias depois, bate na gente uma profunda saudade... E dá uma vontade louca de visitar a sepultura daquela pessoa. E a gente vai, leva flores, faz orações, chora. Foi o que aconteceu comigo quando faleceu minha irmã e, logo depois, minha mãe.
Foi o que aconteceu quando Jesus morreu. Três dias depois – era o primeiro dia da semana –, Maria Madalena e outras mulheres foram bem cedinho fazer uma visita à sepultura de Jesus. Ao chegarem lá, um imenso susto!... Encontraram a sepultura aberta! Vazia! (cf. Mt 28,1-7; Mc 16,1-7; Lc 24,1-8; Jo 20,1-2.11-13). Apavoradas, não contém as lágrimas. Ali mesmo, de repente elas têm uma visão, avisando que Jesus ressuscitou... E Jesus mesmo logo aparece, e fala com Maria Madalena e as outras mulheres (cf. Jo 20,14-17; Mt 28,8-10; Mc 16,8; Lc 24,9-11).
Elas, então, saem correndo a avisar: "Vimos o Senhor! Ele está vivo! Ele falou com a gente!". João e Pedro vão correndo ver a sepultura, e constatam: Realmente, aconteceu como as mulheres disseram. E se fosse só isso!  Jesus também aparece e conversa com dois discípulos a caminho de Emaús (cf. Lc 24,13-35), aparece e conversa com os apóstolos escondidos numa sala de jantar, falando-lhes de paz, dando-lhes o Espírito Santo e ordenando-lhes a anunciar a notícia por todos os cantos da terra (cf. At 1,4-8; Mc 16,14-18; Lc 24,36-48; Jo 20,19-25).
Numa palavra, tudo isso deve ter causado um grande alvoroço... Era até difícil acreditar!... O luto e a tristeza pela morte do Senhor, o desânimo, a frustração, a sensação de derrota amargando a vida, de repente são substituídos por uma imensa alegria, um intenso júbilo, um saboroso gosto de vitória... Jesus está vivo! Ressuscitou!
Agora vejam: Tudo isso aconteceu no "primeiro dia da semana" (Mt 28,1; Mc 16,2; Lc 24,1.13; Jo 20,1.19)! Naquele tempo, entre os judeus, a semana começava com o dia seguinte após o sábado. Jesus morreu no sexto dia (para nós hoje: sexta-feira) e passou o sábado (sétimo e último dia) na sepultura... E foi precisamente a partir do seguinte, o “primeiro dia da semana”, que os discípulos e discípulas sentiram que tudo se renovou... A partir deste dia a Vida foi sentida como mais forte do que a morte.
Por isso, por ser o “primeiro dia da semana”, este dia passou a ter para os cristãos um sentido simbólico especialmente profundo. Primeiro, porque ele nos lembra o início da criação do mundo. A saber, foi nesse "primeiro dia" que Deus deu início à criação. E fazendo o que? Criando o sol (cf. Gn 1,3-5)! Agora, com o despontar do novo Sol na pessoa do Ressuscitado, esse mesmo dia (o "primeiro da semana"), passou a ser o dia da Nova Criação, o dia do começo da Nova Vida para Jesus e sua Comunidade.
O "primeiro dia da semana" se tornou, para os cristãos, o dia memorável, inesquecível. O dia mais importante da semana! Precisamente por causa da impressionante vitória da Ressurreição. Tanto que até deram um nome a este dia. Passaram a chamá-lo de dia do Senhor (cf. Ap 1,10). Em latim: dies dominica, de onde vem a palavra “domingo”: Assim surgiu o “domingo”, que significa exatamente isso: "dia do Senhor".
Neste dia, passando da morte para a vida, Cristo se tornou "o Senhor dos vivos e dos mortos" (Rm 14,9). Ninguém mais domina sobre Ele. Ele é o Senhor... (cf. Fl 2,9-11). Por isso que o primeiro dia da semana agora é d'Ele, do Senhor, é Domingo. Mais que isso, podemos até dizer que Domingo é Ele mesmo. Pois, como vencedor das trevas do pecado e da morte, Ele agora é o Dia que não tem fim, o Primeiro Dia, o Senhor dos dias... O primeiro dia da semana agora é do Senhor, é Domingo, porque, neste dia, Cristo vem como o Senhor dos dias, o Primeiro, a Luz que nunca mais se apaga, o Sol que não conhece ocaso.

Frei José Ariovaldo da Silva, OFM

Comunidade Agnus Dei

ATIVIDADE SEMANAl NA CASA DE MARIA

EM PEDRO LEOPOLDO

Rua Jockey Club 01
 
Segunda-feira
-       19:00hs: Celebração na Casa de Maria
-   20:00hs: Grupo de Oração,
-                  Evangelização para crianças
Quinta-feira
-       19hs: Missa na Igreja Matriz de São Sebastião em Pedro Leopoldo.
-       14hs: Oração de cura na Casas de Maria (marcar com antecedência) Tel. 3665-0070

   2ª, 4ª e 6ª feira , Liturgia da horas no Oratório (capela) ás 7:30h (manhã)

  1º Sábado do mês Oração das Mil Ave Marias ás 14:00h 

Última segunda feira do mês19:30 h - Missa de Libertação
BAIRRO TAVARES – CONFINS


Quarta-feira
-       19hs: Grupo de Oração
   (Capela de Santo Antonio)

ATIVIDADES SOCIAIS

Associação Comunitária São Sebastião –ASSER
Rua Pacífico José Diniz 03 – Tel. (031) 3665-0070

CURSOS E OFICINAS OFERECIDOS

Introdução a informática (adolescentes e adultos), Reforço escolar (ensino médio) Informática, artesanato, teatro, dança Afro, LIBRAS, etc...
O que é novena, porque fazê-la, e como fazê-la bem?

A verdadeira maneira de rezar uma Novena é aquela em que colocamos nossos pedidos nos lábios do Santo de nossa devoção e ele encarrega de levar nossos pedidos a Jesus. Mas estes pedidos não se resumem em apenas que nos sejam concedidas graças materiais. Muito pelo contrário. Devemos pedir, antes de tudo, os bens espirituais, pois são eles que nos encaminham para o Céu.

 

Nosso lema é:
“Como Maria a nossa vocação é dar Jesus Cristo Eucarístico ao mundo” Comunidade Católica Agnus Dei -CCAD
15 anos proclamando o Evangelho
EBEN-EZER”
até aqui nos socorreu o Senhor.
(1Samuel 7,12)

Local:

Casa de Maria
Rua Jockey Club, 01 – Centro
Pedro Leopoldo – MG

Comunidade Católica Agnus Dei -CCAD
15 anos proclamando o Evangelho

terça-feira, 21 de junho de 2011

ONU apela ao Brasil para investigar ditadura e punir torturadores

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou apelo ao governo brasileiro para que inicie investigação sobre tortura e violações de direitos humanos ocorridas durante os anos da ditadura e puna os responsáveis. A informação partiu do relator da ONU contra a tortura, Juan Mendez.
   Para a ONU, a devolução pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI) das caixas com informações sobre a existência de pelo menos 242 centros de tortura no Brasil deve ser aproveitada para o país decidir lidar com o seu passado. A entidade internacional não escondeu a insatisfação com a decisão da presidente Dilma Rousseff de manter fechados os arquivos nacionais.
   Mendez afirmou que o Ministério Público brasileiro e juízes precisam honrar esses documentos, abrindo processos contra torturadores e revelando o que de fato ocorreu naqueles anos, para que toda a sociedade brasileira saiba do seu passado, assim como o fizeram países da América do Sul.
   Um dos pontos que pode ajudar os processos no Brasil é o fato dos militares brasileiros terem insistido em garantir um arquivo "invejável" de suas práticas, com detalhes sobre quem foi torturado, por quem e sob qual método, mostram os documentos que estavam de posse do CMI.
   De posse dessas evidências, apontou Mendez, a Justiça brasileira é levada à investigação e punição dos responsáveis, “o que não é nada mais do que uma ‘obrigação’ para o Brasil neste momento e seria ‘surpreendente’ se o país se transformasse no único de todo o Cone Sul a manter seu passado ‘abafado’".
   O ex-militante da guerrilha e ex-deputado federal, Fernando Gabeira, afirmou que “os senadores Fernando Collor e José Sarney não querem que os documentos sejam divulgados nem depois de 50 anos. Querem sigilo eterno”.  Ele disse que o acesso aos documentos oficiais não é importante apenas para escrever a história. “É importante também para o exercício da democracia”.
       Agência LatinoAmericana de Notícias (ALC)

Documentos mostram evangélicos nos porões da ditadura e ONU pede justiça

Torturados e delatores da grei evangélica brasileira ganham visibilidade nos documentos que o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) repatriou oficialmente ao Brasil nessa terça-feira, 14, entregando 1 milhão de páginas microfilmadas que estavam no Center for Research Libraries, de Chicago, e 10 mil páginas inéditas da correspondência entre o cardeal arcebispo de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, e o pastor presbiteriano unido, James Wright.
    A revista semanal IstoÉ antecipou, na semana passada, histórias de evangélicos entrevistando pastores e líderes evangélicos que passaram pelo pau de arara e aqueles que os conduziram até os porões da ditadura, nos Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi). 
   Os evangélicos carregam uma mancha em sua história por convidar a repressão a entrar na Igreja e perseguir os fiéis, comentou ao repórter Rodrigo Cardoso o antropólogo Rubem Cesar Fernandes, 68 anos, de origem presbiteriana, preso antes do golpe, em 1962, por participar do movimento estudantil.
   “Não é justificável usar o poder militar para prender irmãos”, disse Fernandes, considerado “elemento perigoso” por pastores que o incluíram numa lista entregue aos militares, depois do golpe.
   O pastor batista Roberto Pontuschka, capelão militar, torturava presos à noite e de dia distribuía porções do Novo Testamento aos detentos nas dependências da Operação Bandeirantes (Oban), de São Paulo. Com 21 anos à época, o então seminarista da Igreja Presbiteriana Independente e hoje teólogo e professor de ciências da religião na Umesp, Leonildo Silveira Campos, preso por dez dias pela Oban, em 1969, não esqueceu o método evangelístico do pastor Pontuschka.
   Pai de quatro filhos, Anivaldo Padilha, 71 anos, só veio a conhecer o seu filho Alexandre, hoje ministro da Saúde do governo da presidenta Dilma Rousseff, aos oito anos de idade. Em mais de 20 dias de tortura, em fevereiro e março de 1970, no DOI-Codi de São Paulo, o então estudante de ciências sociais da Universidade de São Paulo, com 29 anos de idade e ligado à Igreja Metodista, chegou a pensar em suicídio. Libertado depois de dez meses de prisão, Anivaldo partiu para o exílio, de 13 anos, no Uruguai, Suíça e Estados Unidos.
   “Eu tinha muito medo do que ia sentir na pele, mas principalmente de não suportar e falar. Queriam que eu desse o nome de todos os meus amigos, endereços” relatou Anivaldo ao repórter da IstoÉ. Ele descobriu seus delatores há cinco anos, ao ter acesso a documentos do antigo Sistema Nacional de Informações. Quem o delatou foram o pastor José Sucasas Jr. e o bispo Isaías Fernandes Sucasas, da Igreja Metodista, já falecidos, aos quais Anivaldo era subordinado.
   Nos anos de chumbo, controlados pelos militares, pedir justiça aos excluídos, defender a reforma agrária e manifestar preocupações sociais eram coisas de comunistas, apoiados pelo movimento ecumênico.
   “Fui expulso, com mais oito colegas, do Seminário Presbiteriano de Campinas, em 1962, porque o nosso discurso teológico de salvação das almas passava pela ética e a preocupação social”, contou à IstoÉ o mineiro Zwinglio Mota Dias, 70 anos, pastor emérito da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPU).
   Dos 54 estudantes matriculados no seminário teológico de Campinas, 39 foram expulsos em 1967. No mesmo ano, a Igreja Metodista fechou a Faculdade de Teologia de São Paulo e expulsou estudantes e professores. O pastor Boanerges Ribeiro, presidente da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB), promoveu uma “depuração interna” na igreja em 1965. A Igreja Presbiteriana Independente (IPI) expulsou dez seminaristas em 1968.
   Dois anos depois, a Federação Luterana Mundial cancelou assembléia geral que realizaria em Porto Alegre porque, entre outros motivos, a igreja brasileira convidara o presidente da República, general Emília Garrastazu Médici, para a abertura do evento. Líderes luteranos negavam, então, a existência de práticas de tortura no Brasil. 
   Vários evangélicos colaboraram com a máquina repressora da ditadura, delataram irmãos e assumiram o discurso do anticomunismo como a salvação do Brasil.  “Eu acreditava ser impossível que alguém que se dedica a ser padre ou pastor, cuja função é proteger suas ovelhas, pudesse dedurar alguém”, confessou Padilha.
   Nesses anos todos, Padilha descobriu, depois de se deparar casualmente, em festa de Carnaval, com um de seus torturadores, que o perdão é libertador.
   "O perdão, para mim, foi uma forma de exorcizar os demônios das torturas que me causaram pesadelos durante quase seis anos. Há situações em que o perdão é mais importante para quem perdoa do que para quem é perdoado. No entanto, isso não significa que eu acho que os torturadores, seus mandantes e colaboradores não devam ser punidos. A punição deles é importante para resgatar a dignidade dos que foram torturados, da memória dos assassinados, das famílias que não puderam ainda sepultar seus membros desaparecido. Além disso, a impunidade contribui para que a tortura ainda seja praticada em larga escala nas delegacias e prisões brasileiras. Em suma, a punição representaria o resgate da dignidade da sociedade brasileira que foi violentada por um regime autoritário", afirmou o metodista.
   Dom Paulo Evaristo Arns e o pastor Jaime Wright serão lembrados no ato de repatriação dos documentos que estão de posse do CMI, que terá lugar em São Paulo, amanhã, na Procuradoria Regional da República. Eles foram os grandes articuladores do Projeto Brasil Nunca Mais.
   O projeto Brasil Nunca Mais teve início em plena ditadura militar (1964-1985), quando grupo de religiosos e advogados tentou obter, junto ao Superior Tribunal Militar (STM), informações e evidências de violações aos direitos humanos, praticadas por agentes do aparato repressivo. Do projeto originou-se o livro com o mesmo nome – uma compilação com cerca de 5% de toda a documentação levantada no STM.
   Os mentores do projeto – em especial a advogada Eny Raimundo Moreira e a equipe do escritório Sobral Pinto – perceberam que os processos poderiam ser reproduzidos, aproveitando-se do prazo de 24 horas facultado pelo Tribunal de retirada dos autos para consulta.
   A ideia foi acolhida por Jaime Wright e dom Paulo, que resolveram comandar as atividades a partir de São Paulo. Os recursos financeiros para o projeto foram obtidos com o secretário-geral do CMI.
    As cópias dos processos eram remetidas de Brasília a São Paulo. Diante da preocupação com a apreensão do material, a alternativa encontrada foi microfilmar as páginas e remeter os filmes ao exterior.
   Após seis anos de trabalho em sigilo, a tarefa foi finalizada, com a reprodução de 707 processos, totalizando cerca de um milhão de cópias em papel e 543 rolos de microfilme. Foi produzido, ainda, um documento-mãe denominado "Projeto A", com a análise e a catalogação das informações constantes dos autos dos processos judiciais em 6.891 páginas dividas em 12 volumes.
   Considerando a dificuldade de leitura e até de manuseio deste trabalho, foi idealizada a confecção de um livro que resumisse o documento-mãe em um espaço 95% menor. Para operacionalizar a tarefa, foram escolhidos os jornalistas Ricardo Kotscho e Carlos Alberto Libânio Christo (Frei Betto), coordenados por Paulo de Tarso Vannuchi.
   Em 15 de julho de 1985, quatro meses após a retomada do regime democrático, foi lançado o livro "Brasil: Nunca Mais", pela Editora Vozes, publicação que mereceu destaque na imprensa nacional e internacional. O livro foi reimpresso 20 vezes somente nos seus dois primeiros anos. Atualmente, ele está na 37ª edição (2009).
                  Agência LatinoAmericana de Notícias (ALC)

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Curiosidades.

 A- Dez maneiras de ficar mais inteligente:
1- Aprender novas coisas para reforçar o cerebro;
2- Pratique exercicios fisicos;
3- Jogar videogame;
4- Durma bem;
5- Pratique as questões dos testes de inteligência;
6- Mantenha-se afiado com a saúde;
7-Leia devagar e com muita atenção;
8- Beba chá, em vez de café;
9- Evite qualquer tipo de pânico;
10- Coma peixe, e evite carne vermelha.

B- As pessoas destras vivem em média, 9 anos a mais que as canhotas.

C- O músculo mais forte do corpo humano, é a língua.

D- O coração humano produz pressão suficiente para jorrar o sangue para fora do corpo a uma distância de 10 metros.

E- Seres humanos e golfinhos são as únicas espécies que fazem sexo por prazer.

Geraldo Carlos Lanza

Vinde, Espírito Criador.

VENI, CREATOR SPIRITUS
Veni, Creator Spiritus, / mentes tuorum visita, /
Imple superna gratia / quae tu creasti pectora. /
Qui diceris Paraclitus, / altissimi donum Dei, /
Fons vivus, ignis, caritas, / et spiritalis unctio. /
Tu, septiformis munere, / digitus paternae dexterae, /
Tu rite promissum Patris, / sermone ditans guttura. /
Accende lumen sensibus: / infunde amorem cordibus: /
Infirma nostri corporis / virtute firmans perpeti. /
Hostem repellas longius, / pacemque dones protinus: /
Ductore sic re praevio / vitemus omne noxium. /
Per te sciamus da Patrem, / noscamus atque Filium; /
Teque utriusque Spiritum / credamus omni tempore. /
Deo Patri sit gloria, / et Filio, qui a mortuis /
surrexit, ac Paraclito, / in saeculorum saecula. /
Amem.
Tradução em portugues:
1. Ó vinde espírito criador, as nossas almas visitai e enchei os nossos corações com vossos dons celestiais.

2. Vós sois chamados o Intercessor, do Deus excelso o Dom sem 

par, a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

3.Sois doador dos sete dons, e sois poder na mão do Pai, por ele 

prometido a nós, por nós seus feitos proclamais.

4.A nossa mente iluminai, os corações encheis de amor, nossa 

fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

5.Nosso inimigo repeli, e concedei-nos vossa paz; se pela graça nos 

guiais, o mal deixamos para trás.

6.Ao Pai e ao filho Salvador por vós possamos conhecer. Que 

procedeis do seu amor fazei-nos sempre firmes crer

Um belo trabalho social em Lagoa Bonita-Cordisburgo.

O Brasil é um país de uma grande diversidade cultural. Resultado de uma colonização feita por vários povos que aqui aportaram trazendo em sua bagagem seu patrimônio cultural. Cabe a nós brasileiros fazermos a nossa parte e dar nossa contribuição para um país melhor.
Amigos e irmãos em Cristo Jesus.

Uma pequena definição de Serviço Social: é uma profissão de caráter sócio-político, crítico e interventivo, que se utiliza de instrumental científico multidisciplinar das Ciências Humanas e Sociais para análise e intervenção nas diversas refrações da “questão social”, isto é, no conjunto de desigualdades que se originam do antagonismo entre a socialização da produção e a apropriação privada dos frutos do trabalho. Mas que pode ser usada por pessoas que queiram servir bem aos irmãos e não só por profissionais.

Casa da Cultura de Lagoa Bonita.

Ainda bem que existem pessoas de bem que lutam pela cultura e sabedoria, se depender de nossos politicos vamos viver na ignorancia pois para eles o que vale é voto, cultura e sabedoria não tem nenhum valor para eles. Parabén pelo belo trabalho.

Trabalho feito pelas crianças de Lagoa bonita.

Cultura é o conjunto de manifestações artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de um povo ou civilização. Portanto, fazem parte da cultura de um povo as seguintes atividades e manifestações: música, teatro, rituais religiosos, língua falada e escrita, mitos, hábitos alimentares, danças, arquitetura, invenções, pensamentos, formas de organização social, etc. Uma das capacidades que diferenciam o ser humano dos animais irracionais é a capacidade de produção de cultura.


A cultura é uma herança social, e nos faz integrar a uma entidade étnica, aprendendo sua língua,  a nos dispor a fazer as coisas de acordo com as técnicas que ela domina, a nos comportarmos segundo as normas nela consagrada e finalmente viver de acordo com seus usos e costumes. Com isso percebe-se que não podemos pensar em uma sociedade sem cultura, desde a indígena a mais moderna.

No interior da Casa da Cultura.

É a cultura que determina a diferença de comportamento entre os homens. O homem age de acordo com os seus padrões culturais, ele é resultado do meio em que foi socializado. Por isso devemos lutar para que a cultura de nossa gente não morra.


A existência humana é marcada pela cultura e é ela a própria fundamentação da humanidade. Cultura é criação/ aprendizagem/ criação. É modificada, enriquecida, num processo constante, consciente e inconsciente, por acaso e por necessidade. Por isso a cultura marca, registra e pauta as condutas humanas.

Festa de São Bento. Comunidade Católica Agnus Dei.

NOVENA E FESTA EM HONRA
DE SÃO BENTO 2011


Programação


Dia 02/07/2011 –SABADO

      “Tu és Pedro e sobre esta pedra
                               edificarei a minha Igreja ”.
Leituras: Atos 12,1-11 – Mateus 16,13-19
18:00hs: Adoração do Ss. Sacramento
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Comunidade Católica Agnus Dei


Dia 03/07/2011 – DOMINGO

“`Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la ”.
Leituras: Atos 12,1-11 – Mateus 16,13-19
18:00hs: Adoração do Ss. Sacramento
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Comunidade Semente da Libertação

Dia 04/07/2011 –Segunda-feira

“Nossa fé é indispensável para Jesus nos curar”.
Leituras: Gn 28,10-22; Mateus 9,18,26
18:00h: Adoração do Ss. Sacramento.
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Comunidade Agnus Dei - CCAD

Dia 05/07/2011 – Terça-feira

“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos”.
Leituras: Gn 32,23-33 – Mateus 9,32-38
18:00h: Adoração do Ss. Sacramento.
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Comunidade Agnus Dei - CCAD


  Dia 06/07/2011– Quarta-Feira

    “Deu-lhes o poder de expulsar os espíritos  maus e
               de curar todo o tipo de enfermidade ”.
Leituras: Gn 41,55...  - Mt 10,7-15
18:00h: Adoração do Ss. Sacramento.
18:30h Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: RCC Stº Antônio da Barra

Dia 07/07/2011 –Quinta-feira

“Ser apóstolo é ser mensageiro da paz.”
 Leituras: Gn 44,18...; Mt 10,7-15.
18:00hs: Adoração do Ss. Sacramento
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Comunidade Agnus Dei - CCAD

Dia 08/07/2011 – Sexta-feira

     “Sede, portanto prudentes como as
                    serpentes e simples como as pombas ”.
Leituras: Gn 46,1-7...;  Mt 10,16,23
18:00hs: Adoração do Ss. Sacramento
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Miriã Ferreira – Comunidade Reviver

Dia 09/07/2011 – SABADO

      “Os discípulos de Jesus serão
                       perseguidos como Ele foi ”.
Leituras: Gn 49,29...; Mt 10,24-33
18:00h: Adoração do Ss. Sacramento.
   18:30hs: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: Ministério Alegrai-vos - Daniel

Dia 10/07/2011 –DOMINGO

      “Quem ouve a Palavra e a entende
                                       sempre produzirá frutos !”
Leituras: Is 55,10-11; Mt 13,1-23
18:30h: Oração da Novena
19:00hs: Celebração Eucarística
Animação: JOVIC

Levantamento das Bandeiras

após a celebração

Dia 11/07/2011

– SEGUNDA-FEIRA -


DIA DO GLORIOSO SÃO BENTO
(dia do exorcismo das medalhas, cruzes, água, sal, óleo e velas)

“Amarás o Senhor Teu Deus de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao próximo como a ti mesmo.”

Leituras: Ex 1,8-14... – Mateus10,34-42
19:00 hs – Procissão
Logo após Celebração  Eucarística
Animação:Comunidade  Católica Agnus Dei
Todos as noites,
após as Celebrações teremos:

Barracas servindo :

Arroz Temperado
Tropeiro
Caldo de Feijão
Caldo de Mandioca
Canjica
Macarronada
Kibe, frito na hora.
Refrigerante
E muito mais.

  Agradecimentos:
Aos festeiros 2011 e a todos que de alguma forma ajudaram na realização desta festa. Que Jesus os abençoe pela intercessão de nosso Pai São Bento.

Lembretes:

1.    No dia 11/07, segunda feira, dia de São Bento adquira sua vela para a Procissão às 19:00h e ser exorcizada junto com objetos de devoção após a missa.
2.     A novena será rezada acompanhando o livreto próprio da Comunidade Católica Agnus Dei- CCAD, você pode adquiri-lo antes da reza no local.

Comunidade Católica Agnus Dei -CCAD
                                     15 anos proclamando o Evangelho