terça-feira, 14 de março de 2017

Genocídio indígena nos Estados Unidos


O Genocídio dos povos indígenas dos Estados Unidos durante o século XIX, que resultou no massacre de milhões e na destruição irreversível de várias culturas, disfarçado sob a máscara de uma guerra justa, ou guerra indígena, teve características próprias, que diferem o que aconteceu nos Estados Unidos do que aconteceu no restante da América de uma forma dramática. A limpeza étnica do oeste americano tornou-se política oficial do governo americano, que passou a declarar guerra às tribos indígenas sob qualquer pretexto, mesmo quando a origem dos conflitos devia-se a agentes externos e não aos nativos.
 
Assim os apaches foram destruídos pela ação do exército americano após a entrada de mineiros e bandidos no que era legalmente território dos apache. A eliminação dos índios também foi defendida por dificultarem o trabalho dos empreiteiros e empresários de ferrovias que construíam e cortavam suas terras com a nova malha viária, ou como uma forma de se desobstruir o solo das planícies, destruindo suas culturas de subsistência, substituídas por lavouras comerciais em contato com os mercados consumidores através do novo sistema ferroviário. Os indígenas foram paulatinamente empurrados pelo governo americano para territórios cada vez mais áridos, inférteis, isolados e diminutos. O antigo "Território Indígena", que cobria a superfície de 4 estados da União, acabou sendo abolido e trocado por pequenas e esparsas reservas indígenas.
 
Estimam-se mais de 25 milhões de índios na América do Norte e cerca de 2 mil idiomas diferentes. Ao fim das chamadas "guerras indígenas", restavam 2 milhões, menos de 10% do total. Para o etnólogo americano Ward Churchill, da Universidade do Colorado, esse mais de um século de extermínio e, particularmente, o ritmo com que isso ocorreu no século XIX, caracterizaram-se "como um enorme genocídio, o mais prolongado que a humanidade registra".
 
O genocídio nos EUA foi um processo claramente controlado e impulsionado pelo governo dos EUA, com o apoio declarado dos setores que deslumbravam a possibilidade de lucros com o extermínio generalizado dos índios e sua substituição por áreas integradas ao sistema de comércio, que renderia dividendos a banqueiros, fazendeiros, industriais das ferrovias e implementos agrícolas e outros capitalistas.
 

Genocídio nos EUA em comparação com os genocídios latino-americanos

 
Os genocídios indígenas abaixo do Rio Grande em sua ampla maioria foram frutos das ações particulares locais e descoordenadas: fazendeiros que ampliavam seus domínios de terras e servos (América Espanhola) ou escravos (Brasil) e que para tanto precisavam destruir a população nativa.
 
Quando o Estado tomou as rédeas do processo de extermínio, sempre pretendeu caçar um único grupo ou tribo, perfeitamente definido quanto à etnia e ao território, como o decreto contra os botocudos elaborado por D. João IV, ou as guerras contra os Kaigang em Guarapuava, ou a questão dos índios araucanos no Chile e os mapuches na Argentina. Muitas vezes a pretensão tanto de particulares como de governos era não o extermínio completo das tribos, mas a sua interiorização e afastamento das novas áreas arrancadas à civilização ocidental, como foi o caso das investidas mexicanas contra os apache logo após a independência em 1821 - situação bem diferente da dizimação imposta pelo exército dos EUA poucos anos depois, principalmente dos índios navajo, que quase desapareceram por completo.
 
Nos EUA o extermínio foi preferencialmente obra de particulares até o século XIX. Durante dois séculos, os colonos que arranhavam a costa leste precisavam se defender das incursões indígenas – em que algumas tribos que se auto-identificavam como guerreiros violentos, pretendiam apagar os primeiros núcleos colonizadores – o que de fato fizeram no século XVI. A expansão da fronteira para regiões densamente habitadas por índios, como Albany, na segunda metade do século XVIII, empurraram a participação dos colonos das Treze Colônias na Guerra dos Sete Anos, uma vez que os indígenas se cindiram entre aqueles que estavam com os franceses e aqueles que estavam com os ingleses e os colonos.
 
As ações do governo estadunidense se dirigiam para um limpeza étnica geral e irrestrita quanto aos grupos indígenas. Já não faziam mais distinção entre os grupos amistosos ou mesmo aliados e os mais hostis e agressivos.
 
 
O extermínio foi feito através da disseminação de doenças ou de longuíssimas marchas forçadas, ou marchas da morte, que atravessavam um ou vários estados inteiros da União, nas quais todos os índios – crianças de colo, mulheres, idosos, enfermos - eram obrigados a fazer, e muitos morriam aos milhares pelo caminho. Essas marchas se destinavam às reservas delimitadas pelo governo americano, que eram os piores pedaços de terra de todo o país, que simplesmente não encontrariam interessados do Homestead Act de 1862, que eram também diminutas, onde muitos índios iriam simplesmente morrer de inanição ou com o impacto de morar em um clima e local totalmente estranhos ao que conheciam, sem que tivessem qualquer tecnologia para se adaptar às novas condições. Esses locais não deviam nada aos campos de trabalho forçados no meio do nada criados por Stalin, ou aos campos de concentração nos Estados Unidos (que seriam recriados para aprisionar toda a população de ascendência nipônica nos EUA durante a Segunda Guerra). O extermínio ocorreu também por matança pura e simples, através de ataques ocasionais ou grandes operações de limpeza étnica empreendidas pelo exército, ou ainda nesse critério, através de ações de subsídios e gratificações para os particulares que se unissem ao esforço de extermínio, como pagamentos por cada índio morto.
 
A ideologia por detrás desse processo tinha um esteio bem evidente no darwinismo social e na eugenia, que, no século XX, dariam origem ao nazismo e ao holocausto.
 
Os genocídios promovidos pelos ingleses contra os colonos holandeses bôeres em 1903 ou os dos alemães contra tribos da atual Namíbia em 1907 (genocídio dos hererós e namaquas) tiveram como primeiro laboratório a política oficial do governo americano para a questão indígena. A posição de que eles deveriam dar lugar para que povos mais civilizados tirassem proveito dos recursos naturais ficava evidente nos discursos dos presidentes dos EUA.
 
Apesar de ser muito conhecida, a carta escrita em 1854, ao presidente dos Estados Unidos, pelo chefe Seattle, da tribo Suquamish, do Estado de Washington, depois que do Governo norte americano ter proposto a compra do território ocupado por aqueles índios, é uma exceção à regra. Em geral não havia oferta monetária ou qualquer outra, exceto a troca compulsória de terras vastas e férteis por pequenas reservas estéreis, pedregosas e áridas. Algo parecido foi feito com o povo filipino durante a Guerra Filipino-Americana e o Genocídio Filipino que se seguiu.
 
“ Tentamos correr, mas eles nos alvejavam como se fôssemos búfalos. Sei que há alguns brancos bons, mas os soldados deviam ser maus, para disparar contra crianças e mulheres. Soldados índios não fariam isso contra crianças brancas. ”
 
A limpeza étnica nos EUA foi contundente uma vez que não havia a escapatória de assimilação e mestiçagem, seguida de uma política de branqueamento, que foi largamente empregada na América Latina. A população branca não deveria se misturar aos índios, o que poderia enervá-la e torná-la decadente, como considerava-se decadentes povos que se miscigenaram, nem que fosse nas altas esferas, como a China da ultima dinastia Manchu. Por isso, sua desaparição física tinha que ser clara.
O governo dos Estados Unidos começou a exterminar populações indígenas inteiras, em eficientes operações de limpeza étnica, a começar com a temível varíola, contaminada em roupas e lençóis, que eram distribuídos entre estas comunidades, juntamente com os inúmeros conflitos criados pelo governo norte americano, onde o winchester dos soldados ianques falava mais alto. Os indígenas sobreviventes eram confinados em reservas cada vez menores e impróprias ao seu modo de vida, e aqueles que impunham qualquer resistência eram sumariamente executados.
 

Ações genocidas

 
Os Cheyenne, por conta das marchas da morte as quais foram obrigados a realizar pelo governo americano, como a Trilha das Lágrimas, enfrentaram outros extermínios. Em novembro de 1864 houve o Massacre do Riacho de Areia, onde foram mortos mais de cem Cheyenne que estavam sob os cuidados do grande chefe Chaleira Preta. Este brutal ato de genocídio e as mutilações que se seguiram contra os indígenas, fizeram com que os Cheyenne não tivessem alternativa, a não ser entrar em constantes guerras com soldados e colonos ianques, o que causou quase a extinção desta tribo.
 
Em 1874, o ouro foi descoberto nas Terras Sagradas dos Sioux e Cheyenne, em Black Hills, e em poucos dias milhares de garimpeiros invadiram as terras indígenas. As batalhas entre garimpeiros e indígenas foram sangrentas e, para garantir a extração do ouro, o governo norte-americano resolveu expulsar os Sioux de suas terras e levá-los para as reservas. Touro Sentado recusou-se a ir e o exército ianque foi mobilizado para remover o grande chefe Sioux e seu povo da região. Tatanka Iyotake viria a se tornar o famoso chefe Touro Sentado, imortalizado pelo cinema e seriados de TV, nasceu em 1831, nas proximidades do Grand River, em Dakota, na tribo Hunkpapa, da linha Sioux. Era curandeiro.
 

As rotas das tribos Choctaw, Seminole, Muscogee/Creeks, Chickasaw e Cherokee nas remoções indígenas no sudeste americano
 
Ameaçado pelo exército dos Estados Unidos, e cansado das invasões dos homens brancos às suas Terras Sagradas em Black Hills, Touro Sentado e Cavalo Louco, ou Tashunkewitko, convocou os guerreiros Sioux, Cheyenne, Arapaho, Hunkpapas, sans arc, pés pretos, Miniconjou, Brule, Oglala, kettles e arikara para seu acampamento no vale de Little Bighorn, para lutarem juntos e defenderem as suas terras e famílias, contra a expedição de Custer, para quem índio bom era índio morto.
 
Cavalo Louco, nascido em 1842, em 1866, havia participado do massacre do Capitão William J. Fetterman e sua tropa de 80 homens perto de Fort Kearny (hoje no Nebraska e na altura no território do Wyoming), e que foi considerada a pior derrota que o exército norte-americano sofreu nas mãos dos índios naqueles tempos.
 
A morte de Custer, nove dias antes da celebração do primeiro centenário do nascimento dos Estados Unidos da América, mobilizou a opinião pública norte-americana, os jornais e os membros do Congresso para alavancarem o extermínio indígena. Um exército que compreendia dez soldados para cada combatente indígena, foi enviado para o território que compreende o que hoje são os estados da Dakota do Sul e do Norte, Montana e Wyoming, limpando os indígenas destas terras.
 
Em 1890, Touro Sentado retornou de seu refúgio no Canadá para vincular uma profecia de que um dia todos os combatentes indígenas mortos retornariam e expulsariam os homens brancos da terra roubada. No mesmo ano aconteceu o massacre de Wounded Knee, realizado pela Sétima Cavalaria, que barbaramente assassinou 250 indígenas, na sua maior parte mulheres e crianças.
 
Em 1830, o presidente Andrew Jackson determinou a remoção de várias tribos, Cherokee, Chickasaw, Choctaw, Creek e Seminole, entre os anos de 1831 e 1838, das mais ricas terras do sudeste americano, para míseras reservas a milhares de quilômetros de onde moravam, tendo que cumprir o trajeto – sob pressão dos militares americanos – a pé. Só entre os Choctaws, entre 2.500 e 6.000 morreram durante a remoção.
 
Em média, 1/3 da população morreu apenas para conseguir fazer a travessia épica.[2] Por isso esse acontecimento passou para a história como a Trilha das Lágrimas.
 
O estado da Geórgia desejava obter o direito de dispor das terras indígenas demarcadas por tratados dos tempos coloniais para poder entrega-las à especulação de terras. No desejo de fazê-lo o mais rápido possível, enviou corretores e agiotas para as terras indígenas para fazerem demarcações e loteamentos antes mesmo que os índios fossem obrigados a abandonar o local.

Marcia Pascal, Cherokee. (1880)
 
De 1871 a 1934, um modelo de atribuição de terras aos índios foi implementado pelo governo federal norte-americano.
 
Viveu-se uma política de assimilação forçada (allotment period and forced assimilation); crianças indígenas eram punidas nas escolas por usarem trajes típicos, por praticarem cerimonias tribais, pelo uso da língua nativa; o mote dava-nos conta de que tradições tribais eram inimigas do progresso. Para que a política oficial do governo americano, do tempo de Washington e Adams , quando os índios eram necessários como patrulheiros e soldados, fosse substituída, era necessário que os índios fossem parar no limbo do formalismo jurisprudencial de meados do século XIX.
 
À luz de reflexão mais profunda, o momento transita com as complexidades jurídicas de acomodação de ideais democráticos e elementos decorrentes e sub-produtos do capitalismo; tratados eram assinados, mas jamais foram honrados; negava-se cidadania, negava-se também estado político autônomo, sob retórica protecionista, trilha sonora de inegável homicídio. A opinião do juiz Marshall, do Suprema Corte dos Estados Unidos, que analisou o caso, centrou uma dubiedade que matizava sua linha de pensar. Desenvolve raciocínio simpático aos índios que na conclusão despreza, ao não aceitá-los como nação livre e independente, reduzindo-os a grupos domésticos e dependentes.


O assassinato em massa dos povos indígenas americanos

 
2016 - Como de costume, no dia 27 de Janeiro de cada ano é celebrado o Dia da Memória para comemorar os judeus deportados e mortos pelo regime nazista. Facto curioso: é o único "Dia da Memória", apesar dos não poucos exemplos de genocídio ao longo da História. Os meios de comunicação realçam pontualmente o martírio do povo judeu, acusando de anti-semitismo e racismo qualquer pessoa que simplesmente coloque não dúvidas mas perguntas, por exemplo acerca da legitimidade das acções de israel ou da ideologia sionista.
 
Pelo contrário, outros e mais extensos genocídios foram completamente removidos da consciência comum, ou, pior ainda, justificados de várias maneiras. Para tamanho e método de execução, não é minimamente possível comparar o genocídio dos judeus com aquele dos nativos americanos: apesar das dificuldades em obter números certos, não há dúvidas que desde a chegada dos primeiros europeus até o final do séc. XIX, 50 milhões de nativos morreram por causa das guerras, perda do ambiente onde viviam, mudanças no estilo de vida, doenças. Mas outros estudos apontam para 100 ou até 114 milhões de vítimas.
 
De acordo com o estudioso David Carrasco, em 1500 cerca de 80 milhões de pessoas ocupavam o Novo Mundo: em 1550 apenas 10 milhões de indígenas ainda sobreviviam. No México, havia cerca de 25 milhões de pessoas em 1500 enquanto em 1600 não sobravam mais de que um milhão de indivíduos.
 
Particularmente trágico foi o destino dos nativos da América do Norte: aqui morreram menos indígenas em termos absolutos, mas o impacto foi de longe mais devastador dado que o total inicial de nativos era bem mais reduzido. Em 1890 não sobravam mais de 250.000 indivíduos, 80 % (cerca de 1 milhão) da população original foi simplesmente exterminado.
"Dia da Memória" também para os nativos americanos? Não há.
 

Como

 
O genocídio dos nativos que povoavam a América do Norte (e que são normalmente conhecidos como índios), como vimos, começou alguns anos após a descoberta do Continente e terminou no limiar da Primeira Guerra Mundial, desenvolvido ao longo dum amplo período de tempo e dificilmente definível.
 
Os meios do genocídio têm sido vários: do massacre de inteiras comunidades por parte de exércitos regulares ou mercenários até a propagação intencional de doenças endémicas como a varíola. Lembramos as palavras do general britânico Jeffrey Amherst durante a revolta de Pontiac em 1763:
 
Fazem bem a tentar contaminar os índios por meio de cobertores em que dormiram doentes de varíola ou por quaisquer outros meios para exterminar esta raça abominável
 
Entre os outros métodos de genocídio havia também:
destruição do habitat
caça intensiva ao bisonte, fonte de sustento dos nativos
escravização e extermínio através do trabalho
massacres voluntários
provocar confrontos entre tribos e grupos étnicos
incendiar intencionalmente os frutos da terra
transmitir de forma involuntária novas doenças (contra as quais os nativos não tinham anticorpos)
libertação deliberada de varíola como arma biológica (além dos já citados cobertores, também oferta de comida contaminada)
esterilização forçadatos voluntários de provocação e sacrilégio contra membros duma tribo para desencadear uma reação violenta
guerra aberta, com o uso de tecnologias modernas, tais como metralhadoras
assassinatos seletivos de líderes carismáticos
assassinatos deliberados de crianças indígenas capturadas
propagação deliberada de alcoolismo entre os nativos
transferências com marchas forçadas em péssimas condições climatéricas e higiénica
 
Muitos foram também os índios que morreram em guerras entre potências europeias que ocuparam o solo americano (Espanha, Império Britânico, França) e, posteriormente, durante a guerra de independência das colónias americanas. Nestes casos, os índios que tinham escolhido servir o lado perdedor (e, infelizmente, a maioria fez essa escolha como no caso dos Franceses ou permanecendo leais ao Império Britânico) sofriam as consequências. Os colonos não perdiam nenhuma oportunidade para provocar os índios para que estes cometessem atos violentos, atraindo-os para brigas, violando os seus territórios de caça, exterminando o bisonte, vendendo-lhes álcool. Os povos indígenas destas terras tinha uma longa tradição guerreira e uma psicologia baseada no sentido de comunidade, portanto um mal feito a um membro duma tribo era para eles um ato contra a comunidade toda e desencadeava a reação índia contra o "inimigo branco" (e essas reações violentas contra os colonos eram na verdade muito mais perniciosas para os índios).
 
Outro pretexto que foi utilizado contra os índios foi acusá-los de "tradicionalismo irracional", isso é, a hostilidade deles em recusar submeter-se a costumes e tradições que não lhes pertenciam e reivindicar direitos sobre enormes porções de terra (que, de facto, sempre lhes tinham pertencido).
A tudo isso era adicionada a ideia de que a história humana é feita de choques de civilizações e, portanto, uma sociedade mais "avançada" e mais poderosa tem o direito legal de utilizar qualquer meio contra culturas mais "fracas"; assim os índios, considerados inferiores aos anglo-saxónicos, não tinham o direito de impedir o desenvolvimento do futuro Estado americano.
 
Outro aspecto que pesa sobre a questão do genocídio na América do Norte é que os índios, ao contrário de outros casos semelhantes, não abdicaram passivamente dos direitos deles mas reagiram enfrentando corajosamente a violência dos colonizadores com continuas tentativas de libertação, compensando com astúcia e habilidade a enorme diferença de forças no campo, conseguindo não poucas vezes derrotar os adversários.
 
Como muitas vezes acontece, infelizmente, aqueles que reagem à violência com violência são vítimas do hipócrita pensamento pacifista, pelo que não é raro ver os nativos americanos no papel de "maus", de guerreiros sanguinários; e "normal" e "justificada" parece a reacção dos colonialistas. Até poucas décadas atrás, Hollywood alimentava este quadro com produções historicamente absurdas nas quais os índios eram invariavelmente os maus da fita.
 

Porquê

 
Nos presentes dias deveria ser analisada a razão pela qual um evento tão trágico (e bem pior de outros "holocaustos") recebe muito pouca atenção por parte das supostas "mentes abertas" da civilização moderna. E isso apesar dos índios ainda representarem uma das faixas mais desfavorecida da população dos Estados Unidos. O rendimento médio semanal duma família indígena é de 30 Dólares (média nacional: 130 Dólares); a expectativa de vida é de 42 anos (média nacional: 67 anos); uma taxa de suicídio e de mortalidade infantil respectivamente 5 e 10 vezes a média nacional; 45% dos habitantes das reservas estão desempregados e 42% deles são analfabetos.
 
Ao mesmo tempo, os territórios das reservas são ricos em matérias-primas: 80% do urânio, 40% do petróleo, 75% do carvão extraídos em todos os EUA vêm das reservas, mas a exploração desses recursos é a prerrogativa de vinte grandes empresas, enquanto aos índios são reservadas apenas pequenas comissões. Para aqueles que procuram uma fuga das reservas, a situação não melhora: tristes realidades dispersas na degradação urbana, poucos recebem ofertas para um emprego estável, a maioria vive marginalizada e desprezada, os descendentes das antigas tribos tornam-se alvo de drogas, alcoolismo e criminalidade. Não é possível não realçar o enorme contraste com a comunidade judaica, cujos membros têm agora importantes posições institucionais em muitos órgãos políticos e económicos, tanto ao nível nacional quanto naquele internacional; são donos de bancos, corporações, multinacionais, rádio, jornais e televisão.


Se compararmos a área-símbolo da comunidade judaica internacional, ou seja o Estado de israel, com as pobres e exploradas reservas indígenas, o contraste é impressionante. E aqui pode ser encontrada a razão do esquecimento geral, pois tudo pode ser reconduzido a um mero cálculo económico e geopolítico por parte das potências imperialistas: lembrar o genocídio dos índios em nada favorece nem gera lucros, enquanto o genocídio judeu é útil para tais fins. Todas estas razões são necessárias não apenas para entender o porquê do genocídio dos nativos americanos ficar "atrás" em relação a outros; mas também para entender que o holocausto dos indígenas da América do Norte ainda não acabou.


Holocausto Americano. Genocídio dos índios americanos

 
2015 - Hitler é um filhote de cachorro em comparação com os "conquistadores da América. " O que não é ensinado nas escolas americanas: como foi o resultado do Holocausto do Índio Americano, também conhecido como "os quinhentos anos da guerra" e esse é o "O Holocausto mais longo na história da humanidade", foi destruído 95% dos 114 milhões de habitantes indígenas do atual território dos Estados Unidos e do Canadá.
 
Esses assassinatos por motivos étnicos, são silenciados. Todo mundo sabe sobre o Holocausto, o genocídio dos judeus, mas sobre os índios ... ? Pessoas foram mortas apenas porque eram índios! Mais de meio século após a descoberta da América por parte da população local eles não eram considerados como seres humanos e sim como animais. Baseado no fato de que os índios não são mencionados na Bíblia. Então, eles não estavam lá.
 
O conceito dos campos de concentração de Hitler, ele deve muito ao estudo do Inglês e da história dos Estados Unidos. Ele admirava os campos para os Boers na África do Sul e para os índios no Velho Oeste, e muitas vezes em suas imediações elogiou a eficácia da destruição da população indígena das Américas, os selvagens vermelhos que não podem ser capturados e domesticados, combate desigual e fome.
 
Os Estados Unidos se recusaram a ratificar a Convenção da ONU sobre Genocídio. E não é para admirar. Muitos aspectos do genocídio foram implementadas sobre os povos indígenas da América do Norte.
 
 
O termo vem do Genocídio Latina (genos - raça, tribo, cide - assassinato) e literalmente significa a destruição ou a destruição de uma tribo inteira ou nação. O Dicionário de Inglês Oxford define genocídio como "o extermínio deliberada e sistemática de grupos étnicos ou nacionais", e refere-se ao primeiro uso do termo na Raphael Lemkin sobre as ações dos nazistas na Europa ocupada. Pela primeira vez o termo foi documentado e usado nos julgamentos de Nuremberg como um descritivo e não um termo legal. Genocídio é geralmente refere-se à destruição de uma nação ou grupo étnico.
 
A lista de política dos EUA do genocídio incluem: destruição em massa, guerra biológica, despejo forçado de suas casas, prisões, a introdução de produtos que não agregava valores indígenas , a esterilização cirúrgica forçada das mulheres locais , proibição de realização de serviços religiosos, etc...
 

A decisão final

 
"solução final" do problema dos índios da América do Norte se tornou um modelo para posterior Holocausto judeu e o apartheid Sul-Africano.

Mas por que o maior holocausto é escondido do público? Será que é porque ela durou tanto tempo que se tornou um hábito? É significativo que as informações sobre o Holocausto foram deliberadamente excluídas do conhecimento e da consciência dos habitantes da América do Norte e ao redor do mundo.
 
A Assembléia Geral da ONU adotou o termo em 1946. A maioria das pessoas tendem a associar com o genocídio o assassinato em massa de indivíduos específicos. No entanto, em 1994, a Convenção das Nações Unidas sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio, genocídio é descrito pela morte direta de pessoas, como a destruição e a destruição da cultura. O artigo II da Convenção enumera cinco categorias de atividades, que são dirigidos contra a grupos nacionais, étnicos, raciais ou religiosos específicos, que devem ser considerados genocídio.
 
Essas categorias são:
• Homicídio de membros do grupo;
• que causam sérios danos físicos ou mentais a membros do grupo;
• Deliberar Criar um grupo a condições de existência que acarretarão a sua destruição física no todo ou em parte;
• medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo;
• transferência forçada de crianças do grupo para outro grupo.
Os alunos são ensinados ainda que nas grandes áreas da América do Norte, elas eram desabitadas. Mas antes da chegada dos europeus eram uma "cidade" próspera do Índio Americano. Na Cidade do México, que abrigava uma grande população maior que uma cidade da Europa. As pessoas eram saudáveis ??e bem alimentadas. Os primeiros europeus ficaram surpresos.Os produtos agrícolas cultivados por povos indígenas ganharam reconhecimento internacional.
 
Ao contrário do pós-guerra na Alemanha, América do Norte se recusa a reconhecer como genocídio a destruição dos índios. Autoridades na América do Norte não querem admitir que foi e continua a ser um plano sistêmico para destruir a maior parte da população indígena.
"Nós reconhecemos que crianças indígenas perdem a sua resistência natural à doença nessas escolas próximas, e que eles morrem a taxas muito mais elevadas do que em suas aldeias. Mas isso por si só não é uma razão para mudar a política deste departamento destinada a uma solução final do nosso problema índio ".
 
Colonização européia das Américas mudou para sempre a vida e a cultura dos nativos americanos. Nos 15-19 º séculos, seus assentamentos foram destruídos, as pessoas exterminadas ou escravizadas.
Marlon Brando em sua autobiografia dedica várias páginas para o genocídio dos índios americanos:
"Depois de suas terras foram tomadas a partir deles, os sobreviventes foram levados para reservas, e o governo os enviou missionários que tentaram forçar os índios a se tornarem cristãos. Depois eu me interessei por índios americanos, descobri que muitas pessoas nem sequer considerá-los seres humanos.
 
Em 1864, o coronel do Exército norte-americano chamado John Shevinton, disparando em aldeia indígena disse que as crianças indígenas não devem ser poupados por causa de piolhos. Ele disse aos seus oficiais: "Eu vim para matar índios, e eu penso que é dever e honrado. E você deve usar qualquer meio, debaixo do céu de Deus para matar os índios. "
 
Os soldados cortavam as vulva das mulheres indias e seios para fazer bolsas , cachorros eram alimentados com pedaços de crianças, eles mostravam como troféus narizes, orelhas e couro cabeludo de índios mortos no Denver Opera House. Educação, devoto cultural e civilizador que mais dizer?
 

CULTURA

 
A cultura é a expressão da criatividade humana, e inclui praticamente todas as suas atividades: linguagem, música, arte, religião e cura, a agricultura, estilos de cozinha, instituições de regulação da vida social. A colonização não só mata os índios. Ela mata-los espiritualmente. Colonização distorce relações, destrói e corrompe relacionamento existentes. Quase simultaneamente com a destruição física das tribos inteiras que perseguem uma estratégia de assimilação de crianças indígenas.
 
Os Jesuítas construíram fortes, em que a juventude indígena foi presa, onde eram incutidos valores cristãos e forçados ao trabalho físico duro. A educação é uma ferramenta importante em mudar não só a língua, mas também a cultura dos jovens. O fundador da Escola Industrial indiano em Carlisle, Pensilvânia, capitão Richard Pratt, em 1892, descreveu a filosofia de sua escola: "Mate o indio para salvar o homem." Crianças em idade escolar foram proibidos de falar sua língua nativa, eles foram obrigados a usar uniformes, cortar o cabelo e cumprir com disciplina rígida. Várias crianças nativas americanas foram capazes de escapar, enquanto outros morreram de doença, e alguns morreram de saudade.
 
Esta perda da identidade cultural leva ao suicídio e violência. O aspecto mais prejudicial de alienação é a perda de controle sobre seu destino, sobre suas memórias de seu próprio passado e futuro. A introdução forçada do pensamento colonial nas mentes dos filhos de índios americanos serviu como meio de violar transmissão cultural entre gerações, genocídio cultural, usado pelo governo dos EUA como outro meio seleção de terras de índios americanos
 
O governo dos EUA proclamou um extermínio em grande escala do bisonte no século 19 levou à destruição quase completa desses animais. Este golpe foi doloroso para os índios, para quem a carne de búfalo é um alimento básico. Da fome que foi projetada pelos americanos que matou muitos nativos. Ex: Inverno 1880-1887 anos tornou-se faminto para tribos indígenas, com uma alta taxa de mortalidade.
 
O US General Philip Sheridan escreveu: "caçadores de búfalos fez nos últimos dois anos mais para resolver o problema agudo dos índios do que todo o exército regular nos últimos 30 anos.
 
O extermínio geral do búfalo atingiu o seu pico nos anos 60 do século XIX, quando a construção da ferrovia transcontinental. Que também eram mortos por diversão.
 
O mais famoso foi contratado pela administração da ferrovia "Kansas Pacific reylueyz" foi o caçador Buffalo Bill, que matou milhares de búfalos.
 
Hollywood não se cansa contar história mentirosas e fazer romances baratos. O herói nacional William Frederick Cody, melhor conhecido como Buffalo Bill, durante dezoito meses (1867-1868), sozinho, matou a 4280 buffalos. Pior que esse lixo é glorificado , por exemplo, na Wikipedia, veja só que ridículo (ele serve como a cuidar do fornecedor), ele supostamente fornecia aos trabalhadores
da estrada de ferro alimentos.
 
Os norte-americanos perceberam que os índios ainda permaneciam em grande quantidades eles maciçamente o conduziam sobre a infame "Trail of Tears" em campos de concentração chamadas de (reservas).
 
Fonte: https://pt.wikipedia.org
           http://jornalggn.com.br/
           http://www.avidabloga.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário