segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Igreja teve 4400 denúncias de pedofilia na Austrália em 30 anos

Uma investigação descobriu que 7% dos sacerdotes católicos do país foram acusados de abusar de crianças.

Imagem genérica de padre (iStockphoto/Getty Images)
 
Entre 1980 e 2015, 4.444 incidentes de pedofilia foram denunciados às autoridades eclesiásticas da Igreja Católica na Austrália, mas as denúncias nunca foram investigadas, segundo os dados divulgados nesta segunda-feira por uma investigação de pedofilia na igreja. Em algumas dioceses, mais de 15% dos padres estavam envolvidos.
 
Segundo o relatório da Real Comissão sobre Respostas Institucionais para Abusos Sexuais de Crianças, do governo australiano, 7% dos sacerdotes católicos foram acusados de abusar de crianças no país entre 1950 e 2010.
 
A investigação descobriu ainda que cerca de 20% dos padres de ordens católicas que dirigem institutos de educação na Austrália, como os maristas, foram acusados. A ordem dos Irmãos de São João de Deus teve a mais alta taxa de acusações: 40% dos religiosos estariam envolvidos em casos de pedofilia.
 
A idade média das vítimas – a grande maioria, do sexo masculino – era de 10,5 anos para as meninas e 11,5 para os meninos. Dos 1.880 acusados de abuso de menores, 90% eram homens – outros 500 agressores não foram identificados.
 
A Austrália encomendou a esta comissão, em 2012 e após uma década de crescente pressão para que fossem investigadas as acusações de abusos sexuais de menores em todo o país, um estudo que agora chega à fase final, após quatro anos de audiências. A comissão falou com milhares de sobreviventes e ouviu acusações de abusos sexuais de menores ocorridos em igrejas, orfanatos, clubes esportivos, grupos juvenis e escolas.
 
“Entre 1950 e 2010, 7% dos padres eram supostos criminosos”, disse Gail Furness, advogada encarregada dos interrogatórios da investigação, em Sydney. “Os relatórios eram deprimentemente similares. As crianças eram ignoradas ou, pior, castigadas. As acusações não eram investigadas. Os padres e os (trabalhadores) religiosos eram transferidos”, acrescentou. “As paróquias ou as comunidades para onde eram transferidos não sabiam nada sobre seu passado. Os documentos não eram conservados ou eram destruídos”.
 
A Igreja da Austrália encarregou o Conselho de Verdade, Justiça e Cura a emitir uma resposta. “Estes números são surpreendentes, trágicos, indefensáveis”, disse à comissão o diretor-executivo do conselho, Francis Sullivan.
 
(Com AFP)
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário