domingo, 31 de janeiro de 2016

As lições do instrutor de Jiu-Jitsu que dá aulas para excepcionais na Apae

 
A iniciativa não é inédita e já existiu em alguns estados, mas para os pequenos alunos, o carioca Allan Di Lucia, de 24 anos, é um verdadeiro pioneiro, um herói de carne e osso.
 
O instrutor da Soul Fighters passava todo dia em frente à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) do Rio de Janeiro, até que em março de 2014 resolveu se oferecer para dar aulas de Jiu-Jitsu. A ideia foi prontamente aceita, e hoje Allan tem 50 alunos na instituição (43 rapazes e sete moças), com mais 50 jovens guerreiros na fila de espera.
 
A história de Allan e de seu projeto Jiu-Jitsu Sem Limites foi contada hoje no jornal “O Globo”, na coluna do jornalista Mauro Ventura.
 
 
O lutador relembrou como tudo começou:
“Um rapaz com paralisia cerebral me viu ganhar o campeonato estadual na minha categoria e quis me ‘desafiar’. Seu professor falou comigo, topei e após três minutos ele me finalizou com uma chave de pé. Sua felicidade era contagiante. O ginásio todo aplaudiu. Fiquei impressionado com sua habilidade e quis dar oportunidade a outros especiais de treinar. Eu passava todo dia na frente da Apae e um dia perguntei à coordenadora como fazer para dar aula ali. Ela disse, todo voluntariado é bem-vindo aqui. Em duas semanas já tínhamos uma sala montada, com duas turmas: a de segunda-feira, com dois alunos, e a de terça, com cinco. Na segunda semana, já eram dez alunos em cada sala. E hoje são quatro turmas”, recordou.
 
“Para iniciar o projeto, em março de 2014, acabei pegando o cartão da minha avó e comprei 15 kimonos”, disse o lutador. Hoje, ele tem apoio de empresas como o Bar do Adão, SNC Tijuca, Red Salon Tijuca, Leonardo Novaes Tattoo, Toalheiros Real, Bucaneiros Burger, Tauron, Atama. Allan, que estuda Educação Física na UFRJ, agora quer se especializar em educação física adaptada.
 
“Estudei as características físicas do Down. E cada aluno fala de um jeito. É preciso paciência e vivência para entender. Eles são excluídos de todos os esportes, porque os professores têm medo de acidentes, então ficam anos ociosos. Aqui, ganham disciplina e melhoram a condição cardiovascular, o tônus muscular, a coordenação motora, o equilíbrio. Passei a criar e experimentar posições voltadas para os meus guerreirinhos”, ensinou o instrutor.
Ainda ao jornal “O Globo”, Allan revelou o maior retorno que o projeto dá:
 
“Antes do projeto, quando eu chegava em casa estressado, sem dinheiro e olhava as medalhas na parede, elas não faziam nada por mim. São um mérito muito pessoal. Já quando chego triste à Apae e vários alunos correm sorrindo para cima de mim esqueço os problemas. Um dia fui dar aula com o pé quebrado, de muletas e bota ortopédica. Alecsander, que tem Down, disse, tive uma ideia. Abriu a bota, fez carinho no meu pé, deu um beijo nele, botou a mão e começou a orar para que melhorasse. Chorei. Meus guerreiros me fazem muito bem”.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário