segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Marcha contra o aborto mobiliza BH em defesa da vida

 
“Oh bebê, pode nascer! Aqui tem gente lutando por você!”, esse foi o grito de guerra da 1º “Marcha pela vida”, realizada neste último sábado (19) pelo Grupo de Ação Política (GAP) em parceria com o Instituto Inconformados e a Liga Universitária da Igreja Batista da Lagoinha, entre outras instituições. A manifestação aconteceu das 9h às 12h30 e teve concentração na praça da Estação e percorreu pelo Centro de Belo Horizonte.
 
A atividade reuniu aproximadamente mil pessoas, entre elas idosos e crianças, que se mobilizaram a favor da vida e contra o aborto. Ao som de um trio elétrico os participantes se posicionaram nos sinais de trânsito e nas ruas com faixas, cartazes e panfletos pró-vida.
 
Durante a mobilização houve apresentação de dança e teatro. Além disso mulheres que decidiram não abortar compartilharam testemunhos. Outro destaque da manhã, foi o ato simbólico ao redor da Praça Sete. Nele, os participantes se reuniram com faixas, cartazes, bebês de bonecas e balões com água tingida de vermelho, simbolizando o útero e declaram o grito de guerra.
 
 
Um das coordenadoras do GAP, Viviane Petinelli, informou que a marcha superou as expectativas,“Houve a participação de pessoas de diferenças crenças, raças e idades a favor de uma mesma bandeira. E também teve a brilhante atuação da polícia militar durante a concentração da marcha”, destacou.
 
Nas redes sociais, o GAP comentou a iniciativa: “Entendemos que cada vida vale muito e que todos têm o direito de nascer, portanto, não permitir que um bebê nasça é um claro atentado contra a vida e dignidade do ser humano. Por isso, lutamos, mobilizamos, conscientizamos por meio de panfletos, manifestações artísticas, testemunhos de mulheres que decidiram não abortar e sobreviventes do aborto e gritos de guerra. Lutamos pela saúde das nossas mulheres e pela vida dos nossos bebês. Pela vida e contra o aborto!” declarou o grupo.a de vermelho, simbolizando o útero e declaram o grito de guerra.
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário