sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Papa: os pecados da mídia são desinformação, calúnia e difamação

Roma,  
Os pecados dos meios de comunicação são a desinformação, a calúnia e a difamação, foir o que disse o Santo Padre Francisco aos dirigentes, trabalhadores, funcionários e familiares da televisão da Conferência Episcopal, TV2000, que recebeu na Sala Paulo VI, nesta manhã.
 
 
Como de costume no Papa, desenvolveu seu discurso em três ideias principais, neste caso, "três pensamentos que tenho particularmente no coração sobre o papel do comunicador".
 
Em primeiro lugar, o Papa observou que os meios de comunicação católicos têm uma missão muito difícil no que diz respeito à comunicação social: "tentar preservar-se do que a corrompe para outras finalidades”. Aliás, Francisco alertou que muitas vezes a comunicação "foi submetida à propaganda, às ideologias, aos fins políticos ou de controle da economia e da tecnologia". Por isso, explicou que o que é bom para a comunicação é, em primeiro lugar, a paresia, ou seja, “a valentia para falar na cara, com franqueza e liberdade”. Se estamos realmente convencidos do que temos a dizer, as palavras vêm, disse o Papa. Mas "se estamos preocupados com os aspectos táticos, o nosso discurso será artificial e pouco comunicativo, sem gosto. Um falar de laboratório, e isso não comunica nada”. E assim, o Santo Padre advertiu que a liberdade é também a do respeito às modas, os lugares comuns, as fórmulas pré-concebidas; que ao final anulam a capacidade de comunicar: cada palavra tem dentro de si uma centelha, fogo de vida, despertar essa centelha para que venha. Esta é a primeira tarefa do comunicador”, afirmou.
 
Em segundo lugar, o Papa indicou que a comunicação evita tanto "encher" quanto "fechar". Se “enche” quando se tende a saturar a nossa percepção com slogans em excesso que, em vez de colocar no pensamento o lema, o apaga, explicou. E acrescentou que se "fecha" quando, em vez percorrer o longo caminho da compreensão, se prefere o breve de apresentar pessoas como se fossem capazes de resolver todos os problemas, ou, pelo contrário, como bodes expiatórios em quem despejar toda a responsabilidade. O Papa também observou um erro comum dentro de uma comunicação cada vez mais rápida e irrefletida: "correr rapidamente para a solução, sem permitir o esforço de representar a complexidade da vida real". Assim, observou a segunda tarefa do comunicador: abrir e não fechar, “que será mais fecundo quanto mais se deixe conduzir pela ação do Espírito Santo, o único capaz de construir unidade e harmonia".
 
Por fim, apontou a terceira tarefa do comunicador: “falar à toda a pessoa”. Por isso, Francisco pediu para evitar os que são os pecados dos meios de comunicação: a desinformação, a calúnia e a difamação. A esse respeito esclareceu que a desinformação “empurra a dizer a metade das coisas, e isso leva a não poder fazer-se um juízo preciso da realidade”. Uma comunicação autêntica – destacou – não está preocupada em bater: a alternância entre alarmismo catastrófico e desconexão     
 
reconfortante, dois extremos que continuamente vemos propostos na comunicação de hoje, “não é um bom serviço que os meios podem oferecer às pessoas”. Dessa forma, o Papa indicou que é preciso falar às pessoas em seu conjunto: à sua mente e ao seu coração, “para que saibam ver além do imediato, além de um presente que corre o risco de ser esquecido e temido futuro”.
 
Concluindo seu discurso, o Papa encorajou-os nesta fase que estão vivendo a "repensar e reorganizar vosso profissionalismo à serviço da Igreja", assim como lhes agradeceu pelo que fazem “com profissionalismo e amor ao Evangelho” e pelo seu “esforço de honestidade, profissional e moral com o qual quereis fazer o vosso trabalho”.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário