quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Homenagem a um grande Bispo: Dom Boaventura Kloppenburg

Bispo é conhecido pelas posições conservadoras e pelo repúdio ao marxismo Foto: Beatriz Sallet, Banco de Dados - 24/4/2005
 
 
Uma das vozes mais polêmicas da Igreja Brasileira se calou na tarde desta sexta-feira. Conhecido pela crítica acirrada ao marxismo e à teologia da libertação, o bispo emérito de Novo Hamburgo, Dom Boaventura Kloppenburg, morreu, por volta das 14h30min, aos 89 anos, no Hospital Regina, no município do Vale do Sinos.

Ele estava internado desde o dia 26 de abril, por complicações respiratórias. A missa de corpo presente será neste domingo, às 16h, na  Catedral São Luiz de Novo Hamburgo, onde após a cerimônia também será realizado o enterro.

Bispo da diocese da cidade por nove anos, de 1985 a 1994, deixou um legado de polêmicas e erudição. Foi autor de cerca de 90 livros, conforme seu sobrinho e biógrafo, José Alfredo Schierholt. O último, Creio na Vida Eterna, publicado no ano passado, é uma espécie de testamento espiritual.

Desde que se aposentou, ao completar 75 anos, morava com a irmã Josefina Kloppenburg, freira, na casa da pastoral localizada ao lado da catedral da cidade. Nascido em 1919 em Oldenburg, na Alemanha, foi o sétimo de nove filhos, batizado como Carlos José.

Com as dificuldades enfrentadas pela família devido à I Guerra Mundial, a família emigrou para o Brasil em 1924, quando Kloppenburg tinha quatro anos, e se estabeleceu no município gaúcho de Rolante.

Na década de 30, iniciou a vida religiosa no Seminário Menor da Sagrada Família, em Santo Ângelo. Tornou-se franciscano em dezembro de 1941, quando adotou o nome de Frei Boaventura, e foi ordenado em 1946. Foi um dos brasileiros a participar do Concílio Vaticano II, de 1962 a 1965.

Preocupado com questões teológicas e pastorais da América Latina, o religioso dirigiu o Instituto de Teologia e Pastoral para a América Latina, em Medellín, na Colômbia. Nos anos 60, quando liderava a editora Vozes, dom Boaventura Kloppenburg admitiu como secretário o então estudante Leonardo Boff. Poucos anos depois, a Teologia da Libertação colocaria os dois religiosos em posições opostas.

— A Teologia da Libertação se baseava no marxismo, e isso eu não pude aceitar — disse em entrevista à Zero Hora, em 1995.

Suas críticas ferozes à Teologia da Libertação — que defende a atuação da Igreja na resolução dos problemas sociais — acabaram lhe granjeando a fama de homem rígido e severo. Mas quem o conhecia ressaltava sua cordialidade e seu bom-humor. Características que lhe valeram a amizade do papa João Paulo II, cultivada desde 1974, quando ambos prepararam um trabalho durante um sínodo de bispos.

Entre 1975 e 1976, Kloppenburg ingressou na Comissão Teológica Internacional, onde conheceu Joseph Ratzinger, hoje o Papa Bento XVI, quando ambos eram padres e foram colegas de estudos. Quando ocupava o posto de bispo auxiliar em Salvador (BA), no início da década de 1980, sentiu saudades do sul do Brasil e, em setembro de 1986, se tornou bispo de Novo Hamburgo.
 
http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticia/2009/05/morre-aos-89-anos-dom-boaventura-kloppenburg-2503381.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário