sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Prestação de Contas dos Candidatos de Sete Lagoas


         A respeito de matéria veiculada no Jornal Sete Dias, de Sete Lagoas, da semana de 23 a 29 de novembro, gostaria de tecer alguns comentários. De acordo com as prestações de contas oficiais apresentadas ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral), o meu nome consta como o segundo lugar em termos de campanha mais cara. Isto tem que ser explicado, pois não representa a verdade dos fatos. Numa prestação de contas dentro das leis eleitorais, temos que informar todos os gastos de campanha, assim como todas as doações recebidas e todas as pessoas que trabalharam nesta campanha, voluntariamente ou recebendo alguma ajuda financeira.

As pessoas que fazem doações e as pessoas que trabalham em caráter voluntário, sem nenhum ônus financeiro para o candidato, assinam um documento de doação de serviços, serviços esses que devem receber um valor ESTIMADO, que representam um valor baseado em salários ou em preços de mercado da doação e  informados ao Tribunal Eleitoral como fazendo parte das contas eleitorais.  Estes valores ESTIMADOS, que não traduzem valores em espécie, são somados aos valores recebidos em espécie, ou seja, recebidos em doações financeiras, e resultam nas contas finais.

Portanto, dentro da minha proposta de transparência em todos os meus atos desde o inicio da campanha, declarei todas as doações recebidas por mim, bem como todas as pessoas que me ajudaram na campanha, coordenadores, ajudantes, motoristas, todos esses que trabalharam em completo espírito de ajuda e doação, sem receberem nada por este trabalho, simplesmente com o intuito de me verem realizar um trabalho bom. Porém, todas estas pessoas, sem ocultar ninguém, assinaram Termos de Doação de Serviços e recibos eleitorais, rigorosamente dentro das leis eleitorais, e colocou-se em cada recibo eleitoral um valor ESTIMADO por estes serviços.  Estes valores foram acrescentados aos poucos valores em dinheiro que recebi como ajuda para que se pudesse confeccionar material de mídia impressa, placas, etc.

Sendo assim, como tudo que eu fiz durante a campanha foi exatamente relatado em minhas prestações de contas, recebi a assustadora noticia de que eu estava na segunda posição de maior gasto na campanha. Isto, de forma alguma, corresponde à verdade dos fatos.

Tudo que eu disse pode ser verificado no site do TRE MG, na prestação final de contas dos candidatos a vereador. Alí constam todos os valores ESTIMADOS, depósitos em espécie e transferências eletrônicas de valores feitos em minha conta eleitoral.

Estas informações podem ser acessadas através do link:


a prestação de contas final, até o momento, não está disponível no site, mas poderá ser acessada brevemente, pelo mesmo link.

Dentro da minha proposta de ser transparente, íntegro e honesto, deixo aqui as minhas considerações sobre este tema.

Na paz de Jesus,

Decio Marcio Majela Abreu, vereador eleito por Sete Lagoas

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Crise e salvação da e na igreja


Figura polêmica na Igreja por suas posições ousadas e provocativas, o teólogo católico suíço Hans Küng não deixa de ser uma das cabeças teológicas inteligentes dos dias de hoje. A teologia deve a ele algumas obras importantes de seu acervo de pensamento, muito concretamente no que diz respeito ao papel das religiões no mundo de hoje e às propostas para uma ética global. Antes disso, Hans Küng se ocupou com questões candentes de eclesiologia, tendo escrito inclusive um livro questionando a infalibilidade papal.

Chamado à ordem e advertido inúmeras vezes pelo Vaticano, Küng perdeu a “missio canônica”, ou seja, a permissão eclesiástica para ensinar em qualquer faculdade de teologia católica. No entanto, continuou a publicar e permaneceu ligado à Universidade de Tübingen, Alemanha, até sua aposentadoria. Apesar da idade (mais de 80 anos), continua produtivo e dá conferências e entrevistas em várias partes do mundo.
 
 
                       O teólogo católico suíço Hans Küng(Foto: Reprodução)

 É assim que caiu-nos nas mãos e sob os olhos uma entrevista recente, por ele concedida à revista Le Point, de 27 de setembro de 2012. Ali fala sobre seu último livro intitulado A Igreja tem salvação?, no qual critica severamente a Igreja Católica que teria, segundo ele, traído suas origens. Essas mostram uma comunidade democrática e não monárquica, governada por homens que não desejavam ser senhores mas servidores do povo de Deus. Segundo o teólogo, a Igreja hoje é centralizadora, absolutista e clerical, em nada parecida à comunidade primeva.

 
 Após essa primeira afirmação, Küng critica outros pontos delicados da disciplina católica, como o lugar da mulher na comunidade eclesial, impedida de receber o sacramento da ordem e assumir funções de maior destaque; o celibato dos padres etc. Pela interpretação de Hans Küng, o fato de tais reformas ainda não terem se efetivado na Igreja se deve a uma traição ao Concílio Vaticano II levada a cabo pelos pontificados posteriores a Paulo VI.

Em 2005, Küng foi recebido pelo atual Papa – seu antigo colega de docência e amigo em Tübingen - para uma conversa de quatro horas, gesto que ele até hoje agradece. No entanto, se confessa decepcionado porque não se seguiu a essa conversa nenhuma mudança substancial na orientação do pontificado de Bento XVI em questões de fé e moral.


O mais belo dessa entrevista, dada por um homem brilhante e amargurado em muitos aspectos, porém, encontra-se em sua confissão de fé situada na parte final da mesma. Arguido pelo repórter sobre o porquê de permanecer católico, Hans Küng confessa desassombradamente sua fé: “Não sou católico por causa do papa, mas pelo Evangelho e o povo cristão...A Igreja Católica é minha pátria espiritual, na qual tive uma história às vezes difícil, mas apesar disso muito feliz. Há milhões de católicos que partilham de minhas convicções. “

Küng toca aí – talvez apesar de si mesmo – no coração do mistério da Igreja. Santa e pecadora, “casta meretriz” que o Cristo desposa a cada dia. A comunidade eclesial sempre estará atravessada de ambiguidades e contradições. E estas serão do tamanho e da proporção dos homens e mulheres que a compõem, seus membros e chefes, filhos amados do Pai, que faz nascer seu sol e cair sua chuva sobre todos e todas em toda ocasião.

A entrevista de Hans Küng não é carente de esperança e amor pela Igreja. Se ele não amasse essa Igreja que chama ternamente de sua pátria espiritual, sofreria tanto pelos males que a afligem? Estaria tão angustiado pelo fato de ver seus efetivos decrescerem, seus templos se esvaziarem e tantas pessoas  debandarem de suas fileiras?
 

Ao final, perguntado se Jesus, vindo ao mundo hoje, reconheceria seus ensinamentos diante do atual Papa, Küng responde com alguma acidez, mas deixando entrever uma abertura afetuosa em relação ao atual Pontífice Bento XVI, seu antigo colega e amigo Joseph Ratzinger. Responde que Jesus não se reconheceria na riqueza das vestes e adereços papais, nem veria nisto algo adequado ao sucessor de seu apóstolo Pedro. Igualmente não se encontraria refletido no Cristo que o Papa descreve em seus livros. Porém, termina, “está persuadido que, se ele olhasse no interior do coração de Joseph Ratzinger, encontraria traços de seu ensinamento.”

 
Enquanto o coração humano for fiel a Jesus de Nazaré, reconhecido e proclamado Cristo de Deus, a Igreja terá salvação. Ainda que entre todos os seres humanos espalhados pelo planeta existisse apenas o coração de Joseph Ratzinger...ou o de Hans Küng...batendo ao ritmo do coração amante de Jesus, Verbo Encarnado e salvador do mundo.


Maria Clara Bingemer é teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio. É autora de diversos livros, entre eles, ¿Un rostro para Dios?, de 2008, e A globalização e os jesuítas, de 2007. Escreveu também vários artigos no campo da Teologia.

http://www.domtotal.com/colunas/3145