quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Quaresma 2012

Quaresma, palavra que vem do latim quadragésima, é o período de quarenta dias que antecedem a festa ápice do cristianismo: a ressurreição de Jesus Cristo, comemorada no Domingo de Páscoa.
A prática da Quaresma data do século IV, quando se dá a tendência a constituí-la em tempo de penitência e de renovação para toda a Igreja, com a prática do jejum e da abstinência. Conservada com bastante vigor, ao menos em um princípio, nas Igrejas do oriente, a prática penitencial da Quaresma tem sido cada vez mais abrandada no ocidente, mas deve-se observar um espírito penitencial e de conversão.
                                      
  
A quaresma tem seu inicio na quarta-feira de cinzas e seu término ocorre na Sexta-feira santa, até a celebração da Missa da Ceia do Senhor Jesus Cristo com os doze apóstolos... os cristãos católicos realizam a preparação para a Páscoa. O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual. Ou seja, o cristão católico deve se aproximar de Deus visando o crescimento espiritual. Os fiéis são convidados a fazerem uma comparação entre suas vidas e a mensagem cristã expressa nos Evangelhos. Esta comparação significa um recomeço, um renascimento para as questões espirituais e de crescimento pessoal. O cristão deve intensificar a prática dos princípios essenciais de sua fé com o objetivo de ser uma pessoa melhor e proporcionar o bem para os demais.A quaresma vai a até a páscoa quando o Senhor ressucita.


Essencialmente, o período é um retiro espiritual voltado à reflexão, onde os cristãos se recolhem em oração e penitência para preparar o espírito para a acolhida do Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa. Assim, retomando questões espirituais, simbolicamente o cristão está renascendo, como Cristo. Todas as religiões têm períodos voltados à reflexão, eles fazem parte da disciplina religiosa. Cada doutrina religiosa tem seu calendário específico para seguir. A cor litúrgica deste tempo é o roxo, que significa penitência. O roxo no tempo da quaresma não significa luto e sim simboliza que a igreja está se preparando espiritualmente para a grande festa da páscoa, a ressurreição de Jesus Cristo.

Cerca de duzentos anos após o nascimento de Cristo, os cristãos começaram a preparar a festa da Páscoa com três dias de oração, meditação e jejum. Por volta do ano 350 d. C., a Igreja aumentou o tempo de preparação para quarenta dias. Assim surgiu a Quaresma.
 
O tempo da quaresma é de quarenta dias, porém em dias corridos somam quarenta e sete pois, de acordo com o cristianismo, o domingo, que já é dedicado como o dia do Senhor, durante a quaresma não é contado. Após esse período, se inicia o Tríduo Pascal, que termina no Domingo de Páscoa. Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material. Os zeros que o seguem significam o tempo de nossa vida na terra, suas provações e dificuldades. Portanto, a duração da Quaresma está baseada no símbolo deste número na Bíblia. Nela, é relatada as passagens dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias de Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou a estada dos judeus no Egito, entre outras. Esses períodos vêm sempre antes de fatos importantes e se relacionam com a necessidade de ir criando um clima adequado e dirigindo o coração para algo que vai acontecer. Antes de iniciar sua vida pública, logo após ter sido batizado por João no rio Jordão, Jesus passou 40 dias no deserto. Esse retiro de Jesus mostra a necessidade que ele teve em se preparar para a missão que o esperava. Contam os Evangelhos que no deserto Jesus era conduzido pelo Espírito, o que quer significar que vivia em oração e recolhimento, discernindo a vontade de Deus para sua vida e como atuaria a partir de então. No tempo que passou no deserto Jesus teve uma profunda experiência de encontro com o Pai. E, tendo vivido intensamente esse encontro, foi tentado pelo diabo. As tentações que Jesus viveu são apresentadas como aquelas que também os cristãos precisam viver. É por isso então, que os cristãos realizam uma penitência de quarenta dias, chamada quaresma.

A Quaresma é o tempo litúrgico de conversão, que a Igreja Cristã Católica, a Igreja Anglicana e algumas protestantes marcam para preparar os fiéis para a grande festa da Páscoa. Durante este período, os seus fiéis são convidados a um período de penitência e meditação, por meio da prática do jejum, da esmola e da oração. Ao longo deste período, sobretudo na liturgia do domingo, é feito um esforço para recuperar o ritmo e estilo de verdadeiros fiéis que pretendem viver como filhos de Deus.

Esses quarenta dias, devem ser um tempo forte de meditação, oração, jejum, esmola ('remédios contra o pecado'). É tempo para se meditar profundamente a Bíblia, especialmente os Evangelhos, a vida dos Santos, viver um pouco de mortificação (cortar um doce, deixar a bebida, cigarro, passeios, churrascos, a TV, alguma diversão, etc.) com a intenção de fortalecer o espírito para que possa vencer as fraquezas da carne.

A Igreja Cristã Católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na Quarta-feira de Cinzas, três grandes linhas de ação: a oração, a penitência e a caridade. Não somente durante a Quaresma, mas em todos os dias de sua vida, o cristão deve buscar o Reino de Deus, ou seja, lutar para que exista justiça, a paz e o amor em toda a humanidade. Os cristãos devem então recolher-se para a reflexão para se aproximar de Deus. Esta busca inclui a oração, a penitência e a caridade, esta última como uma consequência da penitência.

Neste tempo especial de graças que é a Quaresma devemos aproveitar ao máximo para fazermos uma renovação espiritual em nossa vida. O Apóstolo São Paulo insistia: "Em nome de Cristo vos rogamos: reconciliai-vos com Deus!" (2 Cor 5, 20); "exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação." (2 Cor 6, 1-2). Assim podemos viver bem a Quaresma e participar bem da Páscoa do Senhor, enriquecendo a nossa alma com as suas graças extraordinárias; podendo ser melhor e viver melhor.

“Todos pecamos, e todos precisamos fazer penitência”, afirma São Paulo. A penitência é uma virtude sobrenatural intimamente ligada à virtude da justiça, que “dá a cada um o que lhe pertence”: de fato, a penitência tende a reparar os pecados, que são ultrajes a Deus, e por isso dívidas contraídas com a justiça divina, que requer a devida reparação e resgate. Portanto, a penitência inclina o pecador a detestar o pecado, a repará-lo dignamente e a evitá-lo no futuro.

                                 
                      Fonte: www.acidigital.com; Blog do Professor Felipe; Wikipedia;Missal Romano.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Existência do Diabo

Este artigo tem a intenção de mostrar que o Diabo aparece como adversário de Deus no âmbito do cristianismo cristão católico. Esse conflito assumiu a forma de uma batalha cósmica entre o Bem (cristãos) e o Mal (pagãos) sendo que tanto o conflito doutrinário como o bélico são utilizados para o combate desses últimos.

Diabo (do latim diabolus, por sua vez do grego διάβολος, transl. diábolos, "caluniador", ou "acusador") é o título mais comum atribuído à força sobrenatural maligna da tradição cristã. Muitas vezes também é chamado de demônio, Satã e Lúcifer. Algumas vezes é citado como dragão ou velha cobra. É tratado como a representação do mal, em sua forma original de um anjo querubim, responsável pela guarda celestial, que foi expulso dos Céus por ter criado uma rebelião de anjos contra Deus com o intuito de tomar-lhe o trono. Com seu parecer ainda desconhecido, muitas são as tentativas de reproduzi-lo. O mais popular o levaria a ter uma cor vermelha, com feições humanas, mas com chifres, rabo pontiagudo e um tridente na mão, para remeter a um cetro.

A existência do Diabo não pode ser provada nem pelas ciências nem pela filosofia, pois esses ramos do saber não têm competência para tal, o que implica dizer que também não podem negá-la. O conhecimento do Diabo ultrapassa o plano natural de conhecimento.

Cabe apenas à teologia decidir sobre o assunto, já que a teologia, em virtude da Revelação, tem competências para além das nossas possibilidades naturais de conhecimento. E teologia se faz não com as ideias próprias de cada um, mas com base na fé: na Escritura, na Tradição e no Magistério. A Escritura fala várias vezes sobre o Diabo e os demônios. A missão de Jesus mesmo é entendida pela Escritura como uma luta contra o reino de Satanás. E não há razões sérias para dizer que a Escritura fala do Diabo e dos demônios somente por depender do imaginário da época em que foi redigida. A Tradição confirma a existência do Diabo, o que também faz o Magistério. Logo, é temerário querer negar a existência dos anjos decaídos. Do ponto de vista da fé, é uma heresia.

Negar tal existência? Como? Com base em quê? A parapsicologia não a pode provar nem muito menos negá-la. O Diabo pertence a um plano de existência que está fora do âmbito de competência da parapsicologia. Esta se atém ao plano natural. Analisa fenômenos paranormais ou extranormais, mas sempre naturais.

A Tradição (Santos Padres, Bíblia, Antigo e Novo Testamento, as palavras de Jesus...) e o Magistério da Igreja (Catecismo, documentos da Igreja, Missal Romano, Ritual de Batismo, Ritual de Exorcismo...) confirmam a visão escriturística sobre a existência do Diabo e dos demônios como seres pessoais, dotados de inteligência e vontade.
Os pontos fundamentais da doutrina católica sobre o diabo podem resumir-se nos seguintes:
Deus criou os Anjos que são bons por natureza, mas muitos deles pecaram e se fizeram maus deliberadamente. Diz o Catecismo: “A Escritura fala de um pecado desses anjos. Esta ‘queda’ consiste na opção livre desses espíritos criados, que rejeitaram radical e irrevogavelmente a Deus e seu Reino. Temos um reflexo desta rebelião nas palavras do Tentador ditas a nossos primeiros pais: ‘E vós sereis como deuses’ (Gn 3,5). O diabo é ‘pecador desde o princípio’ (1Jo 3,8), ‘pai da mentira’ (Jo 8,44)”

Não foi o diabo quem criou a matéria e os corpos (como ensinou o maniqueísmo), mas sim Deus.

Satanás e seus sequazes foram castigados por Deus com o inferno, de onde põem armadilhas, tentam e perseguem aos homens na medida em que Deus permite.
Os demônios, como todos os Anjos, são espíritos puros, dotados de entendimento e vontade.
Os anjos caídos pelo pecado de soberba se perderam irremediavelmente, porque em virtude de sua natureza espiritual sua livre eleição entre o bem e o mal fica imutável uma vez feita e, portanto, sem possibilidade de arrependimento. Diz o Catecismo: “É o caráter irrevogável de sua opção, e não uma deficiência da infinita misericórdia divina, que faz com que o pecado dos anjos não possa ser perdoado. ‘Não existe arrependimento para eles depois da queda, como não existe para os homens após a morte’ (São João Damasceno)”.

O demônio perdeu com seu pecado os dons sobrenaturais, mas conserva sua natureza espiritual ricamente dotada de inteligência e de tenaz vontade (agora inclinada ao mal).

Os demônios odeiam os homens; segundo alguns Padres da Igreja, por terem sido estes destinados a substituí-los na Glória. Consequência disto é a instigação ao mal que exercitam sobre os homens em geral. “A Escritura –diz o Catecismo– atesta a influência nefasta daquele que Jesus chama de ‘o homicida desde o princípio’ (Jo 8,44) e que até chegou a tentar desviar Jesus da missão recebida do Pai. Para isto é que o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo (1Jo 3,8). A mais grave dessas obras, devido às suas consequências, foi a sedução mentirosa que induziu o homem a desobedecer a Deus. Contudo, o poder de Satanás não é infinito. Ele não passa de uma criatura, poderosa pelo fato de ser puro espírito, mas sempre criatura: não é capaz de impedir a edificação do Reino de Deus. Satanás, embora atue no mundo por ódio contra Deus e seu Reino em Jesus Cristo, e embora a sua ação cause graves danos –de natureza espiritual e, indiretamente, até de natureza física– para cada homem e para a sociedade, esta ação é permitida pela Divina Providência, que com vigor e doçura dirige a história do homem e do mundo. A permissão Divina da atividade diabólica é um grande mistério, mas ‘nós sabemos que Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam’ (Rom 8,28)”.
Como cristãos católicos, somos chamados a confiar na Tradição e no Magistério da Igreja, que confirmam a visão escriturística sobre a existência do Diabo e dos demônios como seres pessoais, dotados de inteligência e vontade.

Décio Márcio, sacerdote e teólogo, cristão católico.

Bibliografia: Bíblia, Catecismo e Manual de Teologia.
O paraiso perdido: o anjo de luz e sua queda.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Consagração a São Miguel Arcanjo

Ó Príncipe nobilíssimo dos Anjos, valoroso guerreiro do Altíssimo, zeloso defensor da glória do SENHOR, terror dos espíritos rebeldes, amor e delícia de todos os anjos justos, meu diletíssimo São Miguel Arcanjo, desejando eu fazer do número dos vossos devotos e servos, a vós hoje me consagro, me do e me ofereço e ponho-me a mim próprio, a minha família e tudo o que me pertence, debaixo da vossa poderosíssima proteção.

É pequena a oferta do meu serviço, sendo como sou um miserável pecador, mas vós engrandecereis o afeto do meu coração; recordai-vos que de hoje em diante estou debaixo do vosso sustento e deveis assistir-me em toda a minha vida e obter-me o perdão dos meus muitos e graves pecados, a graça de amar a Deus de todo coração, ao meu querido Salvador JESUS CRISTO e a minha Mãe Maria Santíssima, obtende-me a aqueles auxílios que me são necessários para obter a coroa da eterna glória. Defendei-me dos inimigos da alma, especialmente na hora da morte. Vinde, ó príncipe gloriosíssimo, assistir-me na última luta e com a vossa alma poderosa lançai para longe, precipitando nos abismos do inferno, aquele anjo quebrador de promessas e soberbo que um dia prostrastes no combate no céu.
São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate para que não pereçamos no supremo juízo. Amém.


"São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, defendei-nos com vosso escudo contra os embustes e as ciladas do demônio. Subjugue-o Deus, insistentemente o pedimos, e Vós, Príncipe da Milícia Celeste, pelo divino poder, precipitai no Inferno a Satanás e a todos os espíritos malignos que vagueiam pelo mundo, para perder as almas. Amém."

Fonte: http://www.arcanjomiguel.net

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Vaticano condena padre acusado de pedofilia a vida de oração


Um padre católico de Nova York acusado de ter abusado de uma dezena de adolescentes nos anos 1980 em uma escola no bairro do Harlem foi condenado pelo Vaticano "a uma vida de oração e penitência", confirmou nesta quinta-feira à agência EFE um porta-voz da arquidiocese da cidade. Wallace Harris, antigo pároco da Igreja de St. Charles Borromeo, no Harlem, está sob supervisão religiosa em uma residência do templo.

Antes de as denúncias terem vindo à tona, Harris era um dos padres mais conhecidos do Harlem e foi um dos principais organizadores da grande missa que o papa Bento XVI celebrou no estádio dos Yankees em 2008. Meses depois da visita do Papa a Nova York, o sacerdote foi afastado das funções depois que dois homens o acusaram de ter abusado deles em uma escola católica do Harlem na década de 1980.

Posteriormente, outras oito pessoas, inclusive um agente do Departamento de Polícia de Nova York, denunciaram Harris por abusos, mas a promotoria de Manhattan não chegou a apresentar acusações criminais contra ele porque os crimes já haveriam prescrito.

"Monsenhor Wallace Harris deveria ser afastado do sacerdócio pelo Vaticano", afirmou o sacerdote Robert Hoatson, conhecido por suas críticas à maneira como o Vaticano lidou com os casos de pedofilia.

Hoatson disse que as vítimas que tiveram a coragem de denunciar Harris "merecem algo mais" e, por isso, lamentou que o Vaticano envie à sociedade a mensagem de que nunca se responsabilizará por esses "desprezíveis" abusos, informa o jornal Daily News.

http://noticias.terra.com.br/mundo/noticias/0,,OI5592148-EI8141,00-Vaticano+condena+padre+acusado+de+pedofilia+a+vida+de+oracao.html

Oração a São Brás

Protetor contra as doenças da garganta
3 de Fevereiro

Ó glorioso São Brás,
que restituístes com uma breve oração
a perfeita saúde a um menino que,
por uma espinha de peixe atravessada na garganta,
estava prestes a expirar,
obtende para nós todos
a graça de experimentarmos
a eficácia do vosso patrocínio
em todos os males da garganta.
Conservai a nossa garganta sã e perfeita
para que possamos falar corretamente
e assim proclamar
e cantar os louvores de Deus.
Amém

Bênção de São Brás

Por intercessão de São Brás,
Bispo e Mártir,
livre-te Deus do mal da garganta
e de qualquer outra doença.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Amém.

ABUSO SEXUAL - EXPLORAÇÃO SEXUAL - PEDOFILIA...


Em regra, numa definição superficial, abuso sexual tem como motivação a satisfação pessoal do agente, enquanto a exploração sexual tem objetivo de obtenção de lucro.

Assim, abuso sexual de crianças e adolescentes compreende, por ex, o estupro de uma criança. Já a exploração compreende, por ex, o agenciamento de prostituição infanto-juvenil ou a pornografia infantil.

É claro que as condutas estão interligadas: se alguém tem relação sexual com uma criança (o que constitui um estupro de vulnerável -art. 217-A do Código Penal, que é um crime ligado à pedofilia), este é um ato genericamente denominado abuso sexual. Se outra pessoa agenciou esta criança para o ato (o que constitui, por sua vez, crime de favorecimento à prostituição de criança ou adolescente-at. 218-B do Código Penal, que outro crime ligado à pedofilia), este é um ato genericamente denominado exploração sexual.

Assim, a exploração sempre leva ao abuso.

Quando a gente fala em combater a pedofilia, na verdade trata-se do combate e prevenção aos crimes ligados a pedofilia.

Pedofilia e uma parafilia, que consiste em atracão sexual por crianças. Mas o Pedófilo não é, via de regra, 'doente mental', e sabe o que está fazendo.

Estupro, favorecimento à prostituição, pornografia infantil, etc. é que são os 'crimes ligados a pedofilia'. A repressão legal ao criminoso (processo e pena) é fundamental, mas o mais importante é a prevenção, que se faz através da EDUCAÇÃO. É esse o objetivo da campanha 'Todos Contra a Pedofilia'. Evitar que tais crimes ocorram. Proteger a criança explorada e abusada.

No Brasil e em todo o mundo existem muitas campanhas educativas nesse sentido. Isso é uma melhora, mas ainda há muito a ser feito: fortalecimento das entidades de atendimento das vitimas, rigor na aplicação da lei penal, educação, educação e educação.

Observo que algumas leis melhoraram com a CPI da Pedofilia,(videartigo:http://todoscontraapedofilia.ning.com/profiles/blogs/crimes-ligados-a-pedofilia-o) as pessoas estão mais conscientes da realidade hoje em dia, alguns municípios tomaram providências mais eficientes de atendimento à vítima... mas, repito, ainda há muito o que se fazer.

A maneira mais eificente de se fazer uma denúncia e conversar diretamente com qualquer autoridade (Promotor de Justiça, Policia Militar, Civil, Federal), Conselho Tutelar, Comissariados, etc. Mas também podem ser feitas anonimamente (disque 100, por ex.).

                                         Casé Fortes
                                                                                             Todos Contra a Pedofilia